Quem foram eles?
Sexta, 03 de Fevereiro de 2017

Valorizar os ancestrais é, antes de tudo, certeza de perpetuar a história, além da memória de seus feitos. Em cada pedaço do mundo conhecido, existiram pessoas, comunidades inteiras delas, que lutaram, não com o conforto atual, mas com parcos, escassos e por que não dizer inexistentes recursos. Em cada pedra colocada, cada rua aberta, em cada uma das imensas Benfeitorias realizadas nesta terra que antes foi sertão... Hoje a progressista Frederico Westphalen, vinda da então Vila Barril, de uma história ao certo conhecida, mas e os nomes? As famílias inteiras que enfrentavam muitas vezes feras no próprio quintal, porque os limites da cidade eram diversos, mais acanhados, e a mata tomava conta da maior parte do território. Os primeiros habitantes, os que abriram a machado a picada, as ruas, vielas, quem fez a demarcação dos terrenos, nossas múltiplas esquinas, enfim, o desenho em meio às sete colinas.

As cenas bucólicas resgatadas em fotos PB contam façanhas, ocasiões da nascente cidade princesa (ainda vila), causos e ocorridos, levantes e empreitadas feitas pelos habitantes da época.

Festejos realizados em troca de apoio para edificação de elementos basilares de uma sociedade. Dia desses, conversando com amigos de vida inteira, enumerei algumas realizações do líder Vítor Batistella. O monsenhor capitaneava a região em torno de algumas construções; sua obra física conta com cinco edificações: Catedral Diocesana (na minha concepção, o templo mais lindo do RS), a Rádio Luz e Alegria, o Colégio Auxiliadora, o Hospital HDP e o Seminário Diocesano. De todas as obras, a pergunta que faço para quem desdenha ou tem crítica mais ácida, aponte um (só um) elemento da sociedade atual que conseguiria com sua liderança apenas pintar as cinco obras, fecha parênteses. Não vejo motivos para delongas, em todo o tempo que convivi por aqui, e já se passou mais de meio século, não encontrei um.

O texto versa sobre publicidade de atos. Já vi inaugurar com grande pompa, fotos e imprensa inclusive estadual, obras bem menores, tanto em tamanho, como importância, mas está escrito: “Dai a César o que é de César”.

Gostaria que nossa comunidade como um todo tivesse, por exemplo, o espírito, a entrega e o desprendimento de pessoas que passaram por aqui e fizeram sem necessitar de placa ou medalha ou nome gravado em bronze. Lembro de ouvir contar, meu saudoso pai, seu Pompílio, viu a cena, numa oportunidade que agora não cabe precisar, um de nossos primeiros gestores chorou desolado e em público, na frente da praça central, porque alguém (nunca soube se foi intencional ou não) adentrou, de madrugada, com pesado caminhão por sobre os paralelepípedos regulares assentados e ainda não totalmente consolidados da rua principal, deixando rastro de destruição, como se fora uma lavoura recém-arada. O gestor chorou em público pelos recursos públicos desperdiçados, pois o serviço teria que ser refeito. Certeza que todos os nossos gestores que passaram foram generosos com a comunidade, cada qual a seu modo. Sabemos que existem muitas diferenças de pensamento, cores, gostos e amores, como se prega não se discute.

Lembro de nomes, de gente que batalhou e que hoje as gerações mais novas desconhecem rostos e feitos, identidade e ideia de muitos dos pioneiros que por aqui passaram.

Não posso crer que uma comunidade que “batiza” suas ruas e logradouros com numerais esteja capacitada para um futuro tão brilhante como foi a saga da construção desta progressista comuna.

Já passou da hora de realizar levantamento criterioso e preencher com nomes de bravos os logradouros, e mais, inscrevê-los na história, na educação dos meninos e meninas que estarão comandando num futuro próximo os destinos. Procure saber da história de sua família, enalteça os valores que lhe foram passados e contribua para que a história não se perca entre as folhas amarelas guardadas em gavetas, abertas eventualmente por uma criança que, sem saber, pode fazer avião de papel com o pedaço de sua gênese.

A pergunta que não quer calar: “Quem foram eles?”

Comentários