De acordo com a regra, devemos ser felizes...
Sexta, 17 de Fevereiro de 2017

Ouvindo Supertramp - Better Days

A televisão no mudo é hora de prece, de concentração. Dia desses percebi que fazia toda diferença, nem é papo de carola, apenas questão de concentração. Tudo o que desejardes do fundo do teu coração existe, sim, uma grande probabilidade de acontecer.

Das cenas dantescas de meninos brincando no esgoto a céu aberto, se infestando de todos os parasitas e zoonoses possíveis, porque alguém desviou a verba do encanamento, ou porque a contratada não fez o prometido com a qualidade orçada. Conhecem este filme? Pois é, doenças que foram (ou pelo menos pensávamos que tinham sido) erradicadas, voltando com focos preocupantes e cada vez mais alarmantes.
Estão brincando de roleta russa, ou seja, o experimento é sempre na cabeça do coitado do povo, inclusive eu e você que lê. Para eles nos tornamos apenas estatísticas, números em planilha, que pode ser de número de mortos ou de votos, com a mesma e incrível qualidade de mentirem em nossa cara, ao vivo e em cores.

Distribuiu isso e aquilo; conquistas do grupo; fizeram mal feito; eu não sabia, não se pode saber tudo; ora, faz tempo que a raposa toma conta da porta do galinheiro. Muda nome, muda cor da gravata, do lenço e a cor da camisa, não muda é a iniquidade, a malvadeza, a degringolada no ato. Mais um milhão para o paraíso fiscal. Eles nem irão notar.

Deve ser sonho coletivo acabar com isso, por enquanto sonho. Enquanto isso, lá vem o ziriguidum, descendo a ladeira, cerveja barata, fervida à base de muito milho e pouca cevada e quase nenhum malte. Que nada, tá gelada rapaz, aproveita aê três latão por dez pila... Quando falavam que o Brasil começava depois do Carnaval, eles não estavam enganados, infelizmente.

Mas nossa obrigação é ser feliz, sem a culpa vendida na bula, na língua afiada da carola que ajoelha, mas não cumpre a reza. Vigia tua língua e cala, não julgue porque as botas são únicas.

Seja feliz de forma autêntica, apavore os que constroem castelos no consumo, que enganam e que gritam voz de peito vazio, nunca insone.

Nascemos tais, viemos nus e daqui sairemos apenas com o bem que fizermos. Entre o plantar e o colher, há um tempo certo, escolha boas sementes, regue e ilumine, de preferência com belo sorriso no rosto!

Comentários