Rangido de Janela com sopro de vento outonal
Sexta, 23 de Maio de 2014

Ao som de “Elephant Gun” Beirut

 

Em breves linhas trocadas com amigos de perto e longe, percebo que as estações mudam como as pessoas, não no íntimo delas, aquelas que são verdadeiras não mudam, não se travestem de acordo com regra social ou de etiqueta lançada na última reunião de fofoqueiras (aqui vale para ambos os sexos, o racinha desprezível..). Com a natureza a mudança vem de modo sutil, uns dias de vento antecipam novos rumos, roupas são acrescentadas ou retiradas de acordo com condições climáticas, e com elas hábitos também mudam, como se os guardássemos, assim meio contrariados em cima do guarda-roupa que, esperam pacientemente para ressurgirem após o evento da primavera. Gente jovem reunida em praça, roupas e risadas divertidas e desencanadas, ao Sol e ao Léu, cenários que vêm à memória logo que pensamos em amigos, fogueiras no Santo ou em outro Lá, ao som da viola do Querino como se estivéssemos no centro do universo e, estávamos, com toda certeza, ali corria a mais pura energia e luz, sem quaisquer problemas, todos vivos então, correndo entre as estruturas sociais, a tentar nos moldar e fixar, o que houve? Cadê os sonhos? Percebo tempos depois que o olhar triste e de longe de MEU BANDO misturou-se, com metades, a maioria delas formidável, porque não colocaram trava nem afogador em seus corcéis, e aí, uma das máximas, a individualidade é Sacro Santa, mais até que certas palavras proferidas por gente que pensa em salvação de alma, mas é racista, tem prevenção contra humildes, não os trata de forma igualitária e outras cocitas do gênero para não pesar muito na acidez.. Afinal, a César o que é de César, já falava o filho de carpinteiro.. Quando percebo que já não faz diferença o SER e sim o TER, bom neste exato instante antevejo que o país terá que investir muito em educação, mas existem coisas boas, vejo pessoas com brilho nos olhos, e eles não estão cobertos de ouro e joias, do contrário ralam pra caramba, mantendo a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranquilo, é destas pessoas que sinto falta, Só delas. Sabe aquele abraço, este mesmo, memoriza aee o abraço de mais de vinte segundos, este que nos faz sentir a cadência do que bate no outro peito.. Há quanto tempo não tens um destes? Então espero do fundo do coração que ganhem uns quantos destes, para saber exatamente o que nos move, e então estarão prontas para entender outras coisas, como a linguagem de anjos.. Metafísica é o canal!

Saúde e Sorte, para quem faz.. A diferença! 

Comentários