Cadillac, um nome francês para um norte-americano famoso
Sexta, 11 de Setembro de 2015

Poucas marcas definem a ousadia norte-americana em desenho automobilístico como a Cadillac. Em sua etapa inicial, Leland determinou suas características definitivas: precisão e elegância. Mais tarde, suas características particulares e grande tamanho definiram o eufórico gosto americano do pós-guerra.
A história começa com W. Murphy, que havia sido sócio da Ford até que divergências os separaram. Murphy havia decidido fechar a companhia Pidiéndole e sua fornecedora de motores, Leland & Falconer Co, quando Henry Leland sugeriu que não a fechasse.
Murphy aceitou o conselho e não só não a fechou como também a reorganizou e a batizou de Cadillac Automobile Co. Dois anos depois se associou a Henry Leland, quem assumiu a presidência.

Leland, inicialmente, havia trabalhado na Colt, uma fábrica de máquinas de precisão, onde manejava peças com um milionésimo de polegada, adquirindo, assim, sua obsessão pela precisão.
A Cadillac possuía um alto nível de organização. Eram inspecionadas até as peças mais pequenas, como parafusos, porcas e arruelas. O grau de precisão das peças era de até um milésimo de polegada, isso em 1909.
O primeiro Cadillac foi um monocilindro. O veículo era alto devido às péssimas estradas norte-americanas da época. Apresentado em 1903, obteve sucesso imediato perante o público, que encomendou 2.200 unidades durante sua primeira exposição.
Em 1908 a produção superou as 16.000 unidades e o veículo consolidou-se como seguro, confortável e preciso.
Em 1912 a Cadillac surpreendeu o mundo ao utilizar o sistema Delco (instalação elétrica e motor de arranque). O anúncio dizia: “O primeiro automóvel sem manivela de partida”. Em 1915 introduziu o motor V-8, que não foi criação da Cadillac, mas foi o primeiro que, graças a seu desenho e cuidados na montagem, alcançou a confiabilidade necessária para ser utilizado no automóvel.

Abraço e até a próxima!

Comentários