Fernando Alonso se afasta temporariamente das pistas
Sexta, 01 de Abril de 2016

Após Fernando Alonso bater seu carro a 310 quilômetros por hora no Grande Prêmio da Austrália, o piloto foi vetado pelos médicos da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) do GP do Bahrein, marcado para este domingo, (3/04) Alonso revelou os efeitos provocados pelo assustador acidente sofrido na abertura da temporada, revelando que sofreu pequenas fraturas nas costelas e teve problemas no pulmão, o que ainda não era de conhecimento público.

O piloto conta que estava no domingo (20 de março, dia do acidente) com um pouco de dor no joelho, mas não era grande coisa, então foi liberado e tudo estava bem. Na segunda-feira, teve um pouco de dor no geral, nada muito sério. Então voou até a Espanha e a dor passou a ser um pouco maior, por isso fez exames adequados, os quais constataram que havia um pequeno pneumotórax no pulmão.

Alonso esperava participar neste fim de semana do GP do Bahrein, mas o risco da lesão se agravar em caso de novo acidente e até mesmo afetar o funcionamento dos seus pulmões levaram os médicos da FIA a impedirem a sua participação na prova no circuito de Sakhir.

Alonso voltará a ser avaliado pelos médicos da FIA antes do início das atividades de pista da prova seguinte, o GP da China, marcado para 17 de abril. E o espanhol admitiu nesta quinta-feira que poderá ficar de fora de mais uma corrida da Fórmula 1 por causa do seu processo de recuperação.

Fora do GP do Bahrein, Alonso explicou que tomou a decisão de permanecer no país e acompanhar a prova do próximo domingo, quando a sua McLaren será ocupada pelo belga Stoffel Vandoorne, piloto reserva da equipe inglesa.

Esta será a segunda vez em dois anos que o espanhol fica fora de uma prova em razão de um acidente. No ano passado, Alonso não participou do GP da Austrália após sofrer uma forte batida ainda durante a pré-temporada, em sessão de testes no circuito de Barcelona.
Prejuízo para a McLaren

O acidente custou para a equipe, algo em torno de R$ 1,2 milhão. As peças de carbono, materiais elétricos e cabos serão jogados fora pela escuderia, mas o chassi não teve danos estruturais, assim como o cockpit, estrutura que protegeu o espanhol na batida. Dessa forma, eles poderão ser reutilizados. Ainda, o chassi irá para a fábrica de Woking, na Inglaterra, para revisão e eventuais reparos necessários. Outras partes importantes do carro da McLaren, como o motor, a caixa de câmbio e o propulsor também se salvaram e poderão ganhar nova vida no futuro.

Para o próximo GP da Fórmula 1, que será disputado no Bahrein, a McLaren poderá utilizar o chassi reserva ou, se for possível montar um novo a tempo, ele chegará da fábrica de Woking, na Inglaterra.


Abraço e até a próxima!

Comentários