OS ENSINAMENTOS MADIBA – 1
Sexta, 13 de Dezembro de 2013

Estimados leitores na quinta-feira passada, 5 de dezembro, a humanidade perdeu um de seus melhores filhos, Nelson Rolihlahla Mandela. Um grande estadista e líder político, lutador incansável pela igualdade, paz, justiça social, direitos humanos democracia e desenvolvimento. Primeiro presidente da nova África do Sul, independente das mazelas do regime de apartheid que vigorava no país e separava o seu povo pela cor da pele. Estamos trazendo aqui e nas próximas edições, alguns ensinamentos deste grande líder para nos servir de orientação.

Encorajando o seu povo a lutar pelo fim deste regime, Mandela destaca a necessidade da união de todos em torno deste ideal indicando que “O bravo não é quem não sente medo, mas quem vence esse medo e luta por um ideal nobre”. Prosseguindo, afirma “Sonho com o dia em que todos levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos”. E, salientando a importância da educação libertadora afirma que “A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo”.

Ao falar sobre a importância da liberdade de pensamento e ação, Madiba afirma que “Nascemos para manifestar a glória do Universo que está dentro de nós. Não está apenas em um de nós: está em todos nós. Quando os seus compatriotas, preocupados com a sua segurança o aconselham a se proteger mais, ele os responde afirmando que “Não tem nada de iluminado no ato de se encolher, pois os outros se sentirão inseguros ao seu redor”.

Para conscientizar a todos de que a luta era contra a segregação racial e não contra uma ou outra cor de pele, Mandela sustenta que “ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta” e concluindo, afirma “Eu odeio o racismo, pois o considero uma coisa selvagem, venha ele de um negro ou de um branco”.

Indagado sobre a razão de lutar, Madiba responde afirmando “Considero isso como um dever que tinha, não apenas com meu povo, mas também com minha profissão, praticar a lei e a justiça para toda a humanidade, gritar contra esta discriminação que é essencialmente injusta e oposta a toda a base de atitude através da justiça que integra a tradição do treinamento legal neste país. Eu acreditei que ao me opor contra esta injustiça eu deteria a dignidade do que seria uma profissão honrada.".

 

Por fim, Nelson Mandela garante que “Se existem sonhos sobre uma bela África do Sul, há também estradas que levam a este objetivo. Duas destas estradas podem ser chamadas Bondade e Clemência” e que “Nunca, nunca e nunca de novo esta bela terra experimentará de novo a opressão de um sobre o outro”.

Comentários