O significado religioso do jejum de Ramadan
Sexta, 18 de Julho de 2014

Caros leitores, desde o dia 28 de junho até ao dia 28 de julho, a comunidade islâmica brasileira e mundial está a praticar o jejum do Ramadan, pelo fato, achamos por bem trazer um pouco do significado deste ato religioso para o conhecimento do respeitado leitor deste importante e reconhecido jornal da nossa cidade e região.

O Ramadan é o nono mês do calendário islâmico e o jejum é um dos cinco pilares do Islã, e consiste no ato de abster-se, desde o raiar da aurora até o pôr do sol, da ingestão de qualquer espécie de alimentos e bebidas, assim como fumar e manter relações sexuais. O jejum é um modo de autodisciplina física para uma purificação interna e um agradecimento a Deus pelas conquistas na vida. 

“O Mês de Ramadan foi o mês em que foi revelado o Alcorão, orientação para a humanidade e vidência de orientação e Discernimento. Por conseguinte, quem de vós presenciardes o novilúnio deste mês deverá jejuar; porém, quem se achar enfermo ou em viagem jejuará depois, o mesmo número de dias. Deus vos deseja a comodidade e não a dificuldade, mas cumpri o número de dias, e glorificai a Deus por ter-vos orientado, a fim de que (Lhe) agradeçais.” Alcorão (2:184).

Durante o mês de Ramadan, os muçulmanos são unidos pelo jejum e tendem a se aproximar do seu semelhante e de seus familiares que se reúnem diariamente para o desjejum. É um período de renovação da fé, da prática mais intensa da caridade, e vivência profunda da fraternidade e dos valores da vida familiar. Neste período pede-se ao fiel maior proximidade dos valores sagrados, leitura mais assídua do Alcorão, frequência à mesquita, correção pessoal e autodomínio. 

Dependendo do mês e estação do ano correspondente no calendário solar, podemos jejuar no inverno, de dias curtos e frios, no verão, de dias longos e quentes, e outras vezes em períodos intermediários. Isso faz com que haja uma equidade entre os muçulmanos no mundo inteiro, pois todos acabam praticando o jejum nas mais diferentes épocas do ano ao longo de suas vidas, não havendo vantagens em se jejuar em um local ou outro.

De acordo com ditos do profeta Maomé, Deus considera o jejum como o melhor das orações, porque só Ele e o praticante é que sabem sobre a sua veracidade. A 27ª noite de Ramadã, chamada de “Noite do Destino”, é muito importante, pois nela o profeta Maomé recebeu a primeira revelação divina. A data é especialmente comemorada com grandes festividades religiosas e familiares e doações de presentes e alimentos aos pobres. 

Para suportar o jejum de comida e bebida durante o dia, antes da alvorada o muçulmano realiza uma refeição chamada su-hoor que substitui o café da manhã. Ao término de cada dia, o jejum é finalizado com uma oração e uma refeição especial tomada em conjunto, chamada iftar.

Comentários