Quem vai comprovar a tese
Sexta, 16 de Setembro de 2016

Ouvi ontem, por mais de uma hora, o discurso do ex-presidente Lula se defendendo da denúncia, apresentada pelo Ministério Público Federal, de que é o líder do maior esquema de corrupção da história do Brasil. Já disse isso outras vezes, mas volto a repetir: eu adoro ouvir os discursos do Lula. Não quer dizer que eu concorde com tudo, que tudo o que ele fala entra na minha mente e eu passo a repetir incessantemente, que eu não tenha qualquer tipo de filtro. Não tem nada a ver com isso. É muito mais porque faz parte do processo de compreensão da figura do metalúrgico que se tornou a maior liderança política do país no período pós-redemocratização.

Lula tem carisma. Fala a linguagem do povo. Tem histórias engraçadas sobre qualquer assunto. E o que dá mais credibilidade para si: ele acredita em cada frase que profere, mesmo quando claramente está exagerando sobre alguma coisa. Desta forma, acho que a estratégia da defesa é correta: colocar Lula como injustiçado, como a vítima seguinte ao golpe que retirou Dilma do Palácio do Planalto. Montar um ato emotivo, que motiva a militância, que encorpa o coro de quem acredita na tese de que tudo não passa de perseguição política.

Embora eu tenha achado pirotécnico demais o anúncio promovido pelo MPF (afinal, denúncia não é condenação), não consigo acreditar que um órgão de tamanha respeitabilidade e responsabilidade faria algo do tipo sem ter provas suficientes para justificar o ato. Por outro lado, não dá para fingir que não há certa animação dos setores mais conservadores (inclusive de alguns meios de comunicação) com o fato. Sim, eles até podem ter influenciado o enfraquecimento de Lula, Dilma e do PT. Porém, crer que fizeram isso só porque Lula foi, segundo ele mesmo, “o melhor presidente do Brasil”, é um pouco demais.

O que falta, me parece, é a compreensão de que ter sido um bom presidente, ou governador, ou prefeito, seja lá o cargo que se ocupou, não confere o certificado de santidade a ninguém. Tirou milhares da miséria? Fantástico! Mas não dá direito a um bônus de 3% de propina de cada obra contratada pelo Estado. Sua obra política é magnífica? Perfeito! Só que não dá permissão de financiar um projeto de poder, por mais imaculadas que sejam as intenções de ajudar o povo.

Independentemente de todas as contradições, uma coisa é certa: a denúncia contra Lula só será integralmente aceita por todos os segmentos da sociedade se for acompanhada da punição de tantos outros nomes tradicionais da política brasileira de quem não se tem apenas desconfiança de que são corruptos, mas certa unanimidade. Eu compreendo (e compartilho do sentimento) de quem está pxxx da vida pela denúncia contra o Lula ter ocorrido muito antes de qualquer ação mais forte contra o Renan Calheiros, por exemplo. Porque, se não consigo acreditar na inocência absoluta de Lula, também não sou capaz de crer na probidade de centenas de outros que, inclusive, chegaram ao poder antes de Lula. Assim, que a tese de golpe seja colocada à prova na ação das instituições. Quem vai comprovar se é verdadeira será MPF, a Policia Federal, o Judiciário. Eu estou no aguardo.
 

Comentários