Duas palavras tão semelhantes e tão divergentes em seus conceitos. Hoje quero abordar de como essas duas palavras podem criar um abismo nos resultados de um trabalho apenas levando em conta a forma de pensar na realização de um trabalho.

Podemos definir simplicidade como estado da natureza do que é simples; do que não é composto. O que não apresenta dificuldade ou complexidade. E outra de um caráter mais pessoal da simplicidade, enquanto forma de agir e pensar; maneira natural de agir e de se expressar, elegância e espontaneidade.

Enquanto que simplismo é uma tendência ou prática que consiste em considerar apenas uma face ou aspecto das coisas; simplificação exagerada.

Estes conceitos estão inseridos no futebol, conforme a forma que os profissionais responsáveis pensam e levam o seu trabalho, independente das questões científicas, metodológicas, etc. A forma como se leva o trabalho (visão de simplicidade ou simplista) influenciará os resultados finais.

O futebol é um esporte muito complexo, possui uma grande quantidade de variáveis envolvidas fora e dentro de campo e que devem ser levadas em consideração. Comparando o futebol com alguns aspectos do futsal como, tamanho de campo/quadra, tipo de piso, posições e funções individuais de cada jogador, quantidade de substituições, metodologias de treinamento, surgem grandes diferenças entre eles.

Temos muitos outros aspectos que poderíamos avaliar, mas analisando apenas as substituições nos dois esportes (livre/ máximo 5), já muda diretamente a forma de treinar, o jogador de futebol precisa ser mais resistente, pois não poderá sair do campo a qualquer momento, além de correr dimensões bem maiores. Assim a forma de trabalhar muda muito.

A simplicidade no futebol entra na forma de analisar cada variável envolvida, que é simples, mas no contexto geral se torna complexo pela quantidade de variáveis envolvidas. Na minha forma de analisar, pontuo essas variáveis e o trabalho final é o somatório de cada uma delas. Assim, se consigo atender satisfatoriamente um maior número delas terei uma boa pontuação e isso geralmente anda junto aos bons resultados.

Se tiver um bom grupo, uma boa estrutura, logística, um bom entendimento do trabalho pelos atletas, uma metodologia adequada para cada situação da temporada e equipe. Isso são pontos importantes e positivos quando atingidos.

Já a visão simplista nesse contexto é um fator que pode engessar o processo que sempre é dinâmico. Se falarmos de treinamento de força no futebol, temos várias formas de manifestação da força e muitos métodos para atingir cada uma delas, em forma de circuitos, estações, treinos específicos com bola e confronto, musculação, etc. Mas, como exemplo, se algum profissional pensar que apenas o treinamento de musculação potencializará a equipe neste sentido, ele estará sendo muito simplista. Ela é um treino importante, mas não podemos pensar que só ela resolverá, pois assim estaremos deixando de trabalhar outras formas e variáveis também importantes e mais específicas.

Vamos pegar outro exemplo, imagine que um profissional acredita ter um treino ótimo para algo específico (chute a gol, finalização) e em todos os momentos da temporada use o mesmo por achar este completo. Numa temporada temos fases distintas (pré-temporada, competição, transição) cada fase tem uma característica própria e não acredito que o mesmo treino irá atingir os objetivos do treino e da fase na sua totalidade, quantas variáveis podem deixar de ser trabalhadas pela repetição sempre do mesmo trabalho, variar os treinos e adapta-los as situações é essencial para os resultados.

Assim, no processo do futebol, que é complexo e dinâmico, precisamos achar soluções de forma simples (com simplicidade), e tentar evitar uma visão simplista (que limita e engessa) para atingirmos os objetivos. É como cozinhar, teremos os mesmos ingredientes, mas a forma de preparo vai definir o prato final.

Abraço!!!!