A demanda global por mel natural está em pleno aquecimento. Com isso, na região noroeste do RS, um projeto inovador pretende incentivar, fomentar, qualificar e aumentar a produção de mel dos apicultores que trabalham ou pretendem trabalhar com as abelhas (Apis mellifera). O projeto prevê uma integração dos apicultores com a empresa para absorver a produção de mel em 54 municípios da região. Também está sendo construída uma unidade de recebimento e beneficiamento de mel no município de Porto Mauá-RS. Assim, esta produção será processada e exportada diretamente para o continente Asiático. Com isso, os apicultores integrantes do projeto garantirão a venda de sua produção. É importante lembrar que além do mel, as abelhas, especialmente as nativas, prestam outros importantes “serviços ambientais”, ou ecossistêmicos ao meio ambiente, em especial relacionados à polinização das plantas. Isso resulta em uma maior produtividade agrícola, viabiliza a reprodução de muitas espécies vegetais e que impacta diretamente na alimentação de aves e mamíferos através das frutas e sementes reproduzidas após a polinização. Uma colmeia de Apis  é composta por cerca de 90 mil abelhas, e o rendimento de mel é muito influenciado pela qualidade do enxame e do manejo realizado. Assim, acredita-se que com este incentivo na região e com qualificação profissional, o processo produtivo será amplamente expandido, aumentando a renda dos apicultores. Da mesma forma, já é perceptível a busca por áreas rurais com características favoráveis para a produção de mel. Na próxima coluna irei expor sobre as abelhas nativas do RS (meliponíneas – abelhas sem ferrão), que cumprem um papel ecológico também muito importante, e que a criação e produção de mel também estão ganhando espaço no RS.