Fala-se tanto em pico da “doença”! Iria ser em Abril, depois ficou para Maio, e já nem sei pra quando passou.

Só sei que estamos nos reinventando. Uns não dão a importância necessária, outros exageram, mas o certo é que essa pandemia trouxe consigo além das tristes mortes, um rebuliço, que fez trocar Ministro, que parou nossa Libertadores e fez a “Netflix” explodir de novos adeptos.

Estamos sendo professores em casa, “bahh”! Como é difícil.  Tarefa que muitas vezes não damos a importância necessária. Acho que alguns alunos ao iniciar as aulas presenciais, vão levar a cama, o edredom, o prato de sanduíche...  E se bobear até o vaso sanitário... hehehe

E o pico?

Bem, enquanto não atingimos o ”pico” da doença, temos o “Pico” do peso. Você se arrisca, a saber, quando vai chegar ao pico?  Esta crescendo de vento em popa.  Sem falar das orelhas. Você já imaginou como vão ficar as novas gerações? Vão nascer com as orelhas de “Dumbo”.  Sim, as minhas de tanto usar máscara já não voltam mais ao normal.

Não me acostumei ainda com o cumprimento de “cotovelo”, de “braço”, de “punho”. Que coisa isso. Quando pensaríamos em tal situação!

Pena que esse COVID, não ”ataca” antes uma mãe que vai matar um filho, ou um homem que vai agredir a esposa e os filhos. Assim evitaríamos tragédias, como o menino de Planalto. Ahhh!!! Aquela caixinha de papelão que guardou “um anjo”. Deus quis que eu estivesse ao lado desse “anjinho”. Rezei muito!

Tentei aqui, “desabafar” com uma mistura de brincadeiras e realidades para amenizar um pouco tanta dor e angústicas que estamos vivenciando.

Sou adepto de tentarmos extrair as noticias, de uma forma que possamos não apenas ficar alienados e ou até “sufocados” com notícias ruins. Um exemplo disso é que nosso País é um dos países com mais casos de Corona Vírus, mas em compensação, somos um dos países que os índices de morte pela pandemia são os mais baixos.

Devemos nos cuidar, com certeza. Mas enfrentar com responsabilidade essa pandemia.

Mas a tendência é que sejamos uma nova geração de humanos. Uma quantidade grande de tecido adiposo e as orelhas do tipo “Dumbo”.

Até mais.