Depois de várias negociações com siglas partidárias e especulações para definir por qual partido poderia concorrer à deputado estadual nas eleições de outubro deste ano, o capitão Carlos Alberto de Aguiar Júnior confirmou que deve buscar um lugar na Assembleia Legislativa através do PSB.

Segundo Aguiar, o convite para concorrer pelo partido foi feito pelo presidente estadual da sigla e deputado federal, Beto Albuquerque, quando se desvinculou do PR, em junho de 2013. “Uma semana depois que saí do PR, comecei a namorar com o PP e, naquela época, recebi um convite do PSB, mas não dei nenhuma resposta. Depois disso, fomos levando estas situações e ainda recebi convites do PSD, PRB, do PCdoB e de uma ala do PP, que acreditava interessante firmar este vínculo, pois já tinha ligação com o partido desde 2002. Continuamos as conversas até a última semana e pedi uma resposta da Executiva do PP, porque precisava definir a minha situação”, explicou.

Aguiar se reuniu com o Conselho Político do PP e lideranças convidadas pelo capitão, em uma reunião na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), subseção de Frederico Westphalen, no dia 29 de janeiro, quando pediu apoio do partido para concorrer a deputado estadual. Na ocasião, ele disse que precisava de uma resposta até a terça-feira, 4, mas o partido precisava discutir sobre o assunto e pediu prazo maior, até a sexta-feira, 7.

De acordo com o presidente do PP de Frederico Westphalen, Heitor Scapin, o Conselho Político decidiu que não havia a necessidade de tomar a decisão – de indicar ou não o capitão Aguiar para ser representante do partido na região nas eleições. Além disso, as lideranças que integram a Executiva do partido precisavam de mais tempo para debater sobre o assunto. “Não foi o Covatti (Vilson, deputado federal) que decidiu se a reunião seria realizada, até porque, o deputado estava viajando e só chegou em Frederico Westphalen às 19 horas da quinta-feira, 6, e a decisão de não fazer a reunião foi tomada às 17 horas do mesmo dia. Então, quem estava presente neste encontro era o presidente do partido e os integrantes do Conselho Político. Esta é a verdade”, garantiu Scapin.

Para o presidente do PP, a decisão de Aguiar em concorrer pelo PSB não vai gerar a perda de uma liderança do partido, já que o militar estava ligado ao PP há alguns anos. “Ele continua sendo um líder porque nós conhecemos a índole do capitão”, apontou.

Engajado na região

Para o deputado federal e presidente estadual do PSB, Beto Albuquerque, o capitão Aguiar é um homem engajado na região e exemplar servidor público e, se for candidato a deputado estadual pela sigla, será um dos poucos candidatos militares do partido. “Como o PSB, ele quer ajudar o Rio Grande do Sul a elevar a sua capacidade de desenvolvimento, de infraestrutura, saúde, educação e segurança”, observou.

Segundo Albuquerque, a presença regional do capitão Aguiar representará o partido em toda a região do Médio Alto Uruguai e do Rio da Várzea. “É a renovação política na região, além de ser um fortalecimento do grupo de segurança pública que milita no partido”, destacou.

 

Foto: Jardel da Costa/Arquivo