A amamentação é um momento singular entre mãe e filho. Uma conexão realizada durante um determinado período, mas que perdura por uma vida inteira. É lindo, mágico e uma das formas mais puras da natureza mostrar sua força. 

Apesar da produção de leite acontecer de maneira natural para algumas mulheres, o ato de amamentar demanda mais esforço e empenho para algumas. Isso porque ele é único, assim como cada mãe, cada mulher. 

A tecnologia ajuda muito nessa tarefa: hoje é muito fácil dar um Google e tirar uma dúvida sobre o assunto! Todavia, algumas coisas ainda só se aprendem após serem vivenciadas. Para auxiliar as mulheres nesse momento é que hoje existem consultoras em amamentação.

Graziela Piovesan, é enfermeira e uma destas profissionais. Com diversas capacitações, ela realiza atendimentos a domicílio em Frederico Westphalen e região. A partir de hoje, ela integra o Caderno Bella, com uma sequência de matérias que auxiliarão as mães (e futuras mães) a entenderem seus corpos 

*Por Graziela Piovesan

Consultoria em Amamentação é um trabalho recente e novo na região Norte do Estado. Anteriormente, quem fazia esse papel de apoiar essa nova mamãe era a rede familiar e social, como mãe, avós, vizinhas. Como houve uma mudança na atual organização familiar e social, muitas delas se veem sozinhas. O apoio que falo vai além de passar orientação e falar da importância que o aleitamento materno trás para mãe/bebê e família, mas apoio de observar a mamada, corrigir, orientar, o que leva mais tempo e nem sempre os familiares, profissionais de saúde e comunidade em geral estão dispostos ou disponíveis nesse momento em que essa nova família precisa de auxílio.

Apoiar mulheres em um puerpério (pós parto) solitário, foi que descobri meu propósito de vida, ou seja, comprovar a essa mãe que o seu corpo tem capacidade de produzir leite, nutrir em forma de alimento e amor, o filho que gerou em seu ventre.

A grande maioria das mulheres sonha em amamentar seu filho, antes mesmo dele ser gerado. Mas infelizmente muitas não conseguem realizar esse sonho, seja por não produzir leite ou pela dor, afinal, amamentação não é algo natural. A lactação, produção de leite, é algo natural, já o processo da amamentação é um ato aprendido, sendo influenciado por questões emocionais, sociais, culturais, socioeconômicas. Por isso, a mãe precisa de informação, rede de apoio com competência e habilidade para auxiliar neste processso.

Além desses problemas enfrentados pela mãe, ela ainda sente pressão do círculo social para amamentar, transformando o Aleitamento Materno em uma prática assombrosa. Algumas doenças impossibilitam a amamentação, por proporcionar maior risco do que benefícios, ao recém-nascido, como o HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana), mas de forma geral a grande maioria das mulheres podem amamentar.

O Aleitamento Materno é o alimento mais importante da vida de uma pessoa, especialmente o colostro, que é repleto de anticorpos para proteção do bebê, já que este não possui seu sistema imunológico formado, é o leite materno que conferirá a proteção contra doenças.

O leite materno é o único que possui todos os nutrientes em quantidade e qualidade adequadas para o recém-nascido. É de fácil e rápida digestão, atua na formação do cérebro e favorece até a inteligência, de acordo com estudo recente realizado no Sul do Brasil, previne doenças e diminui a mortalidade infantil.

Além do leite, o bebê se nutre da mãe, do contato, do afeto, do calor. O vínculo criado e desenvolvido será de grande importância para seu desenvolvimento físico e emocional, refletindo benefícios por toda a vida.

Os benefícios da amamentação refletem também na mulher, por meio da prevenção de hemorragia no pós-parto, favorece o retorno do útero mais rápido, em algumas situações auxilia na perda de peso gestacional, previne câncer de mama e de colo uterino, além da satisfação consigo mesma ao perceber o desenvolvimento de seu bebê apenas com o leite que seu corpo produz.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e Ministério da Saúde (MS) orientam a amamentação exclusiva, sem água ou chás até os seis meses de vida. Após esse período, devem iniciar a alimentação complementar, mantendo o aleitamento até os dois anos ou mais.

Para que a amamentação seja realizada, é importante acompanhamento de um profissional competente e habilidoso para ofertar o cuidado necessário diante da situação que surgir no processo de amamentação.