A segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (A-H1N1, A-H3N2 e Influenza B), que começa na quinta-feira (16/4), incluirá também os povos indígenas como prioritários. A antecipação se deve à situação de vulnerabilidade dessa população, que receberá as equipes de vacinação em suas aldeias, quando serão adotadas todas as medidas de prevenção e controle do novo coronavírus.

Conforme o Ministério da Saúde, as vacinas seguirão até os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI) de carro, barco ou avião, sempre observando as recomendações de conservação da temperatura e de armazenamento das doses. O esforço atende à determinação sanitária de aumentar a cobertura da vacina contra Influenza, que causa significativos problemas de saúde aos povos indígenas. Apesar de não proteger contra o coronavírus, a vacina contra Influenza tem o objetivo de diminuir a ocorrência de casos graves, que podem levar a hospitalizações e óbitos.

Esta nova fase da campanha também é destinada a doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários, além de povos indígenas. A identificação dos profissionais de segurança fica a cargo da organização de cada município durante a campanha.

A última e terceira etapa começa no dia 9 de maio. Os grupos prioritários serão crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), adultos de 55 a 59 anos de idade, pessoas com deficiência e professores.

Público-alvo da 2ª etapa da Campanha de Vacinação contra Influenza – a partir de 16/4

• Doentes crônicos
• Forças de segurança e salvamento
• Caminhoneiros e motoristas de transporte coletivo
• Portuários
• Pessoas privadas de liberdade
• Profissionais do sistema prisional
• Povos indígenas

*Por: Neusa Jerusalém/Ascom SES