A Agência Da Hora é uma agência de notícias experimental do Curso de Jornalismo da UFSM, sediado na cidade de Frederico Westphalen (RS), na região do Alto Uruguai. Existe e funciona há mais de dez anos, coordenada por diversos professores e recebendo centenas de alunos que usam o local para praticar Jornalismo. Foi pelo jornalismo que estes jovens deixaram suas casas e buscaram a universidade. A Agência Da Hora é simplesmente um local de prática jornalística, da pauta até a publicação e da publicação novamente à pauta, em um movimento de inserção regional único que valoriza a identidade da comunidade local e dá aulas de cidadania para os alunos que se debruçam sobre os reais problemas sociais e ambientais do Alto Uruguai, assim como das manifestações culturais peculiares de cada parcela da população que participa de uma produção jornalística. Isso é extensão universitária. Isso é didática. Isso é preparação para atuar no mercado de trabalho. E jornalismo sempre que for bem feito incomoda muita gente. Durante os anos em que me foi concedido o privilégio de estar com os alunos neste laboratório que nunca teve a porta fechada são a melhor memória do tempo que lecionei na UFSM. A Agência Da Hora sempre foi seus alunos. O professor universitário apenas auxilia. Orienta, esclarece e propõe desafios.

A Da Hora foi nomeada assim pelos alunos que a criaram para fazer a cobertura da Expofred. Não tínhamos nenhum equipamento. Nada. Mesmo assim a cobertura foi feita e os conteúdos diários de jornalismo foram publicados pela sempre companheira Rádio Comunitária. E assim foi, ano após ano, sempre em frente. O projeto de extensão e a disciplina se complementavam, ensino e extensão na mesma medida. A iniciativa foi reconhecida pelo governo federal que selecionou o projeto por dois anos, entre projetos de todo o país para receber recursos e comprar equipamentos (PROEXT-MEC). Internamente, a UFSM sempre reconheceu a iniciativa e também aportou recursos. Hoje, a Agência Da Hora consegue produzir em todos os formatos. Áudio, vídeo, texto, foto, web. Tudo jornalismo. Tudo com qualidade que a comunidade do Alto Uruguai reconhece.

Menos, alguns dos professores do curso. No começo do mês de março de 2018 os laboratórios do curso de jornalismo foram descontinuados. E perderam seus coordenadores. As portas ganharam chaves. A Agência Da Hora, que por duas vezes foi escolhida a melhor do Brasil pelo Intercom e cinco vezes a melhor da região Sul, sucumbiu diante da burocracia acadêmica que acredita ser possível controlar o fluxo de acontecimentos que são alvo da produção jornalística. Pauta não aceita burocracia. Jornalismo é uma atividade do cotidiano. Imprevisível.

Por que será, fico pensando, que um Curso de Jornalismo abdica de uma possibilidade real e imediata de permitir aos seus alunos fazer Jornalismo. Mistérios insondáveis de portas fechadas. Perde o Jornalismo num momento que o país precisa muito de Jornalismo.

Carlos Dominguez

Jornalista, professor do Curso de Jornalismo UFPEL