Representantes do governo federal, Câmara dos Deputados e Senado, realizaram um pronunciamento oficial na tarde desta sexta-feira, 12, e reafirmaram a possibilidade de retomar o auxílio emergencial ainda no mês de março.

Na coletiva de imprensa estiveram presentes os ministros da Economia, e da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos; o presidente da Câmara de Deputados, Arthur Lira; e do Senado Federal, Rodrigo Pacheco. No entanto, apenas o general Ramos permaneceu em silêncio.

A principal novidade foi anunciada pelo novo presidente do Senado Federal, ao revelar que terá integrantes da equipe econômica trabalhando durante o período de carnaval, para que a proposta seja apresentada o quanto antes no Congresso.

– Vamos colocar nossa equipe para trabalhar no decorrer do carnaval, vou sentar com o relator da PEC do Pacto Federativo, Márcio Bittar, submeter ao colégio de líderes na quinta-feira essa proposta para que a gente possa adiantar a pauta no senado federal e no início do mês de março ter uma definição disso. Acredito muito que teremos um resultado muito positivo, que é conciliar o interesse público de ter o socorro a essas pessoas vulnerabilizadas, com a responsabilidade fiscal a partir de um protocolo que demonstra que o Brasil é sério e cuida das suas finanças – revelou Pacheco.

Há a possibilidade, segundo Rodrigo Pacheco, que a nova edição do auxílio emergencial ocorra entre os meses de março a maio, e com a possibilidade de ser estendido para o mês de junho.

– A nossa expectativa é que possa ter no mês de março, abril, maio e eventualmente no mês de junho um auxílio emergencial. É essa a nossa expectativa, é esse o nosso desejo, que externamos ao ministro Paulo Guedes. Para que isso aconteça é fundamental que o Congresso também faça a sua parte, e há um cronograma de trabalho que já estamos trabalhando – esclareceu Pacheco.