Determinação é uma das características que impulsionam Joana e a faz se reinventar. De uma criança que brincava com mistura de cores, ela lembra que trocava qualquer brinquedo por estojos com lápis de cor, giz ou potes de tinta. Ela e a mãe nasceram em Rodeio Bonito e só no ano 2000 mudaram para Frederico Westphalen. Da infância, recorda os tempos “apertados”. Sua mãe trabalhou como faxineira e tinha que administrar a casa com o salário curto. “Tudo que temos hoje foi conquistado, trabalhado para se ter”, conta a Bella. Filha única, acompanhou a trajetória profissional da mãe em estabelecimentos de beleza. Antes de possuir o próprio salão, Isabel limpava, fazia unhas e depilações. Joana tinha seis anos. Foi nessa mesma época que as duas foram convidadas a fazer um ensaio fotográfico por uma amiga da família: Simone Di Domenico. Momento em que Joana, ao se deparar com a estrutura de iluminação e maquiagem do estúdio, se apaixonou pelo local! Dali foi um passo para os pinceis, esponjas e escovas. Joana tinha oito anos quando “brincou” de ser maquiadora pela primeira vez: “Eu peguei uma sombra vermelho sangue e esfreguei nos olhos, foi surreal” contou ela. Já morando em FW, as amigas lhe deram de presente um estojo de maquiagem. A partir disso, Joana passou a ousar nas misturas nas cores e nos movimentos com o delineador. Sua vida mudou aos 13 anos, quando a clientela do salão aumentou e a jovem começa a ajudar. “Minha mãe fazia a pele e eu fazia os olhos”, disse a maquiadora. Atenta, Joana sempre absorveu muita informação ao seu redor. Pesquisava e lia sobre a profissão, já que na época não tinha condições financeira para fazer cursos profissionalizantes na área. Foi então aos 15 anos de idade que ela começou a maquiar sozinha. Como alguém que busca empreender e se aperfeiçoar, ela passou a investir o que ganhava na compra de novos produtos para o que seria o seu negócio atual! A formação foi um exemplo.   O primeiro curso profissionalizante na área ela fez quando estava cursando o segundo ano do ensino médio. Para isso, ela viajou até Curitiba- PR. Voltou trazendo novidades na mala. Entre os elogios, veio uma crítica: precisava melhorar seu esfumado, (uma das técnicas usadas para aplicar sombra). A maquiadora não é uma mulher que se intimida os obstáculos. Se desafiou e foi em busca de novos conceitos. Assim melhorou sua técnica. Os anos lhe trouxeram amadurecimento e a vontade de sair de casa. Joana tinha completado 18 anos, quando foi para Chapecó-SC cursar a faculdade de designer gráfico. Segundo ela, são duas áreas que “se conversam” muito bem. Durante a graduação ela conseguiu aprimorar o que aprendia não só na faculdade, mas também, aplicou as referências na maquiagem. Mais tarde, já com 22 anos, Joana buscou aperfeiçoamento e foi até Maringá-PR, onde aprendeu novas técnicas em outra capacitação. Voltou de lá determinada a ser a melhor no que faz! Joana decidiu que era hora de voltar. Recebeu a proposta de uma agência de publicidade de Frederico Westphalen para atuar na área de graduação. Sem deixar a make de lado, ela conciliava os dois trabalhos: durante a semana dedicava-se a agência e nos fins de semana, mantinha a rotina no salão. Responsabilidades que só aumentam Dar atenção ao trabalho requer tempo e energia. Conciliar duas atividades pode tornar o dia exaustivo. Com a maquiadora não foi diferente. Se antes Joana cuidava só das maquiagens, agora mais experiente, teria ainda que tomar conta das tarefas administrativas da empresa familiar. E as responsabilidades só aumentavam. No ano passado ela recebeu a proposta de cuidar da imagem das soberanas da Expofred. Nos dias de intensa divulgação da Feira, a rotina iniciava por volta das 4 horas da manhã e terminava só quando saia da agência, depois do horário comercial. “O início foi eufórico! Arrumávamos elas e tinham os vestidos que pareciam de princesa”, recordou. Foram dias de muito trabalho onde cansaço físico ficara evidente. Joana conta que cuidar da corte da feira foi uma responsabilidade dividida com a mãe. A Isabel projetava e fazia os penteados nas meninas. A nossa Bella, maquiava. “Trabalhar com minha mãe sempre me passou confiança. Trocávamos informação o tempo todo para conseguir montar um visual harmonioso. Se fosse somente eu, nas duas funções (cabelo e maquiagem), certamente eu não assumiria”, explicou Joana. Ciclos iniciam e encerram em um estalar de dedos. A designer e maquiadora decidiu desligar-se da agência e seguir com o que a deixa mais feliz: cuidar da autoestima das mulheres! Foi uma transição que só reafirmou o que ela mais gostava de fazer. – Quando uma mulher se olha no espelho é mágico. Ela levanta e se sente linda. Isso é muito gratificante. Aquilo que você faz pode não ser a maior coisa do mundo, mas no meu caso, é algo que permite a mulher se achar a mais linda do mundo! – contou. A maquiadora que atende em Caxias do Sul, Passo Fundo e cidades da região hoje se sente realizada profissionalmente. Ela diz que ainda tem muito a aprender sobre as técnicas para aprimorar seu trabalho. Maquiagem é uma arte A criança que gostava de colorir desenhos hoje é uma mulher que realça e expressa a beleza do rosto. Joana considera que cada face é uma tela e a maquiagem, uma arte. Ela vê a beleza na singularidade, no semblante de suas clientes. Em cada fisionomia um caso e uma forma nova para maquiar. A Bella explica que por trás da beleza existe inclusive matemática. “Lembro que antes de entrar para faculdade eu dizia para minha mãe que não faria nada que envolvesse matemática. Design tem muito, maquiagem também”, revela. Ela conta que existe um estudo antigo sobre a “máscara da beleza” e que 90% da população não se encaixa nas medidas. A maquiagem consegue com suas técnicas, aproximar os detalhes do rosto para que ele fique em harmonia. Desta forma a simetria, os números se aproximam. Joana vê em seu trabalho uma forma de empoderar as mulheres e ainda, proporcionar uma “libertação” para quem a procura. Como tudo na vida muda a maquiadora avisa: vem novidades por aí! A Bella da capa irá se especializar em novas tendências da maquiagem. Concluindo a make, para Joana ser bela é... “Ser Bella é você estar de bem consigo mesma, você admirar a mulher que você é. Para mim viver, é você estar em grande melhoramento, cada dia você aprende alguma coisa nova, coisas que no dia anterior você não sabia. Então estamos sempre no movimento de se aprimorar, qualificar-se. E você poder olhar no espelho e se sentir um mulherão, isso é ser bella. Ser bella é se sentir real, se aceitar da forma que você é.”  

Isadora Sant Anna - bella@folhadonoroeste.com.br