– Sempre sonhei alto, sempre idealizei mais e busquei superar os meus próprios limites –, afirma a empreendedora, Jaqueline da Silveira. 

Natural de Palmitinho, Jaque cresceu no interior de Pinheirinho do Vale e passou boa parte da sua adolescência em Barra Funda, onde sua família mora até hoje. É com brilho nos olhos que ela trilha a sua história e os desafios enfrentados ao longo desse processo a tornam, cada vez mais, uma mulher determinada, independente e pronta para o “novo”, em todas as suas versões. 

– É muito difícil falar de nós mesmos, mas resumindo, a Jaque é a filha do meio do Enio e da Erotilde, irmã da Jaqueli e da Maria Clara. Nunca me acomodei, mas sempre fui muito grata pelo que tenho, inclusive, pelos problemas que enfrento, pois acredito que são eles que me tornam uma pessoa forte. Gosto de casa sempre cheia e isso eu herdei da minha mãe e da minha bisavó Amália. Meu desejo de vida é apenas viver bem enquanto viver, meu sonho é simples, mas é grandioso. Quero conhecer lugares e pessoas e deixar a minha marca por onde passar –, conta. 

A Jaqueline, ou Jaque, como muitos já tiveram o prazer de a conhecer, tem riso solto e energia que eleva. É dessa mulher que queremos dividir com você, nosso leitor, um pouco da história, já que ela está alçando novos voos e conquistando mais um passo de um dos, se não maior, sonhos idealizados: a Casa Maria. 

Casa Maria 

– A Casa Maria sempre foi um dos meus sonhos, sempre quis ter uma loja de roupas, pois sempre fui apaixonada por moda, porém, nunca imaginava realizar esse sonho em um ano tão desafiador como foi 2020. Inaugurei a loja em setembro do ano passado, no auge da pandemia. Foi tudo muito rápido, pois se pensasse melhor, jamais teria feito uma loucura desse tamanho, mas eu estava em uma fase da vida que ou eu ia ou ia mesmo, não dava mais para voltar no tempo. Como sempre gostei de desafios, sempre apostei tudo que podia nos meus sonhos e hoje, a minha Casa já tem mais de um ano –, compartilha. 

Mas de onde veio a ideia da Casa Maria? Lhe digo que é um nome que aproxima e que acolhe, o que resume, se possível, a marca que ganhou o coração das mulheres frederiquenses!

A primeira inspiração de Jaque veio de sua irmã mais nova que se chama Maria e é a razão de viver de toda a sua família. “Quem tem uma Maria na vida sabe a grandeza que este nome tem”, contextualiza Jaque. 

– Maria é um nome que representa todas as mulheres na minha opinião, mais um motivo que encontrei para estar inserido na minha casa. E o terceiro motivo é que meu sonho de ter uma loja sempre foi além de ter somente um comércio, sempre pensei em algo acolhedor, um lugar de troca, de amizades e experiências. Onde quem frequentar se sinta como se estivesse no closet de casa, ou se vier somente para o café, que se sinta na cozinha da casa da avó –, relatou ela com sorriso no rosto. 

De cara nova 

Sim, de cara nova! Quando pensamos em Casa Maria, logo em seguida associamos em evolução e constância. A loja ganhou uma nova casa, branquinha por fora e bem colorida por dentro, nas cores de cada estação. Entre as fileiras e cabides, você encontra lindos looks e de ótima qualidade, escolhidos minuciosamente e pensados para cada cliente. Visitando a Casa, você encontrará um bom café, um chá quentinho e, por vezes, até um bolo bem quentinho, sem esquecer do sorriso no rosto que abraça e convida e do amor que aquece a alma, logo que passa pela porta.

– Quero que todas se sintam em casa cada vez mais. Mudamos de endereço e estamos sempre buscando o melhor. Conhecemos nossos produtos e nossas marcas, buscamos sempre o melhor, aliado à qualidade e preço. Conhecemos nossas clientes, suas necessidades e um pouco do seu dia a dia e não estamos aqui de passagem, sabemos o que queremos e o que buscamos. Agora, de cara nova, oferecemos um espaço mais moderno, com um mix de emoções e gostos que vai do minimalismo à arte de rua –, complementa a empresária. 

Curiosa e observadora, duas qualidades marcantes da jovem empresária de 30 anos, que inaugurou o seu novo espaço ontem, 18, na Rua Rui Barbosa, 551, Bairro Ipiranga de Frederico Westphalen. Sinta-se convidada(o) a conhecer!