“Jogo Sujo – O Mundo Secreto da FIFA” do jornalista e escritor escocês Andrew Jennings é raio fulminante, conseguindo ao mesmo tempo (e em igual proporção) nos deixar nocauteados num ambiente de ar rarefeito e sem a menor vontade de contar carneirinhos antes de dormir. Trabalho brilhante (esclarecedor em cada página, e são mais de 300 que fazem você devorar a obra com batimentos cardíacos acelerados), deveria tornar-se leitura obrigatória nos currículos de muita gente inteligente, que acha que a Copa de 2014 no Brasil será um grande negócio. (Se bem que, de certo modo... e por falar em negócios cara pálida, desculpe minha ingenuidade!)

Dividido em 33 capítulos apoiando-se em títulos irônicos como: “O Presidente Blatter e a Galinha dos Ovos de Ouro,” “O Império contra ataca,” “Os Contos de Fadas da FIFA” ou ainda: “A casa da Fifa está pegando fogo,” o trabalho investigativo de Jennings definitivamente é um “adeus à inocência.” Escolhi entre centenas a resenha do Jornal Irish Independent de Dublin/Irlanda que se encaixa perfeitamente quando define: (...) “A história de como a Copa do Mundo trocou sua inocência dos tempos do futebol amador – em que se usavam pedras no lugar das traves – por um lugarzinho ao sol do showbiz é cheia de reviravoltas inesperadas. O resultado pode ter contornos de uma telenovela, mas o processo é puro Família Soprano.” (...)

Refrescando sua memória: Família Soprano é um seriado da HBO exibido entre os anos de 1999-2007 sobre mafiosos ítalo-americanos de New Jersey, cuja excepcional interpretação do ator James Gandolfini fez de “Anthony Soprano,” o personagem principal e patriarca da tal família um sucesso estrondoso. (Mas ainda assim estamos falando da Máfia, é bom ressaltar... e glamour e sangue misturados não garantem finais felizes na vida real como no faz de conta das telas da TV!)

Único jornalista banido das coletivas de imprensa da FIFA desde o ano de 2003 (no entanto a data de publicação do livro é 2006), poder-se-ia considerá-lo como o inimigo número 1 da entidade ou particularmente do seu presidente Joseph Blatter. (Parafraseando o filme Tropa de Elite 2 (Brasil/2010) do diretor José Padilha “O inimigo agora é outro,” Andrew Jennings não é o cara mau dessa história meu camarada e sim o caçador dos verdadeiros caras maus.) Sua obra tem apêndice recheado de dados, links e fontes de pesquisas, cronologia oficial da história da entidade, lista de personagens reais e índice onomástico, não deixando nada solto no ar.

Andrew Jennings escreveu “Jogo Sujo – O Mundo Secreto da FIFA,” não somente para que os fãs do futebol, (e dos outros esportes) continuem cada vez mais apaixonados por seus clubes do coração, mas alertando-os de que “há algo de podre no reino da FIFA” e isso não pode continuar assim. Basta de falcatruas em pequena, média ou larga escala. Basta de corrupção, impunidade e sacanagem. 

Certos livros são de tirar o fôlego e “Jogo sujo” é também... de causar insônia!