Na reunião do Conselho Paritário do Leite do Rio Grande do Sul (Conseleite) realizada nesta terça-feira, 24, na sede da Fecoagro, em Porto Alegre, o estudo realizado pela Universidade de Passo Fundo (UPF) mostrou que a projeção do preço de referência do leite padrão pago pela indústria ao produtor em junho é de R$ 0,8494, representando uma diminuição de 1,54% em relação a maio passado.

Em maio passado, o preço de referência ficou em R$ 0,8626, enquanto a projeção feita na reunião anterior era de R$ 0,8783, o que representa uma redução de R$0,0157 (-1,79%). Nos últimos três meses (abril/maio/junho) os preços de referência do leite padrão houve uma diminuição na média de 2,96%, levando em conta que o valor de junho é projeção.

Para o vice-presidente do Sindilat, Alexandre Guerra, a tendência é de estabilidade com variações irrelevantes nos preços do leite UHT. “Com a chegada do inverno e aumento do frio a expectativa é de maior consumo do leite”, afirma.

A preocupação, conforme ele, é com o fenômeno climático El Niño que traz chuvas, reduz as pastagens e prejudica a alimentação do gado leiteiro. O Conseleite reúne representantes da indústria láctea e produtores rurais para estabelecer mensalmente o preço de referência leite padrão pago ao produtor. Esse sistema de valoração do produto, baseado em estudo técnico da UPF, premia, com melhor remuneração, a qualidade e a produtividade oferecida pelos produtores, que recebem da indústria de 10% a 20% a mais do valor. O preço pago ao produtor está condicionado ao valor que a indústria obtém na negociação com o varejo para os seus produtos. Este preço é regido pela lei de oferta e procura.

Cristiane Luza cidades@folhadonoroeste.com.br