Verão pode estar acompanhado de muitos perigos à saúde, como a exposição demasiada ao sol O câncer de pele é o mais frequente do Brasil, atingindo 25% dos brasileiros. Apesar do número elevado, na maioria das vezes em que o prognóstico deste tipo de câncer é positivo, quando detectado na sua fase inicial tem 100% de cura. Segundo especialistas, o câncer de pele é mais comum em adultos acima de 40 anos de pele clara, sensíveis a ação dos raios solares. Tipos de câncer de pele O câncer de pele pode ser de diferentes tipos. O carcinoma basocelular, que se origina do crescimento anormal de células na camada mais profunda da epiderme, é o tipo mais comum de câncer de pele; carcinoma de células escamosas, que é a alteração nas células presentes na camada central da epiderme; o melanoma, que ocorre nos melanócitos (células que produzem pigmento) e é menos comum do que o carcinoma. O melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser o mais grave devido à sua alta possibilidade de metástase. Sintomas O câncer de pele pode ter diferentes aparências; podem ser grandes, pequenos, lisos, ásperos, avermelhados, mas alguns aspectos podem ajudar na hora do diagnóstico:   Verifique a assimetria da mancha que surgiu na pele Analise se ela é igual nas duas partes Veja se as bordas são irregulares, verifique a cor da área manchada Geralmente a área é maior que seis milímetros de diâmetro Fique de olho em qualquer formação na pele com sangramento e que não cicatrize Use um espelho, ou peça para outra pessoa verificar suas costas e áreas de difícil visão Fatores de risco O principal fator de risco ligado ao câncer de pele é a exposição excessiva aos raios solares (raios ultravioletas). Fatores como irritações crônicas (úlcera angiodérmica e cicatriz de queimadura) e exposição a fatores químicos, como o arsênico, também podem levar ao desenvolvimento do câncer da pele.  Já o melanoma, além dos fatores já citados, associam-se a história familiar de melanoma, nevo congênito (pinta escura), xeroderma pigmentoso (doença congênita que se caracteriza pela intolerância total da pele ao sol, com queimaduras externas, lesões crônicas e tumores múltiplos) e o nevo displásico (lesões escuras da pele com alterações celulares pré-cancerosas).     Estimativa de novos casos não-melanoma em 2013 – 134.170: 62.680 homens e 71.490 mulheres  Número de mortes: 1.521     Estimativa de novos casos de melanoma em 2013 – 6.230: 3.170 homens e 3.060 mulheres  Número de mortes: 1.507