Com o objetivo de qualificar as ações para o desenvolvimento da fruticultura na região, a Emater Regional de Frederico Westphalen deu início a um projeto que vai levar assistência técnica direcionada a produtores dos municípios participantes. A iniciativa, que já vem sendo realizada em outras áreas, como na bovinocultura de leite e irrigação, vai contemplar com mais ênfase, Ametista do Sul e Planalto, bem como outros municípios com vocação para o citros e viticultura.

– O papel será fortalecer a extensão rural nesses municípios, primeiramente, com citros e viticultura, e depois abrangendo outros locais, e frutas como maracujá, pitaya, pêssego, ameixa e banana –, explica o gerente regional da Emater, Luciano Schwerz. Nesta etapa serão realizadas reuniões com as equipes, lideranças e parceiros estratégicos nos municípios, com a definição das atividades e eventos.

Para isso, a Emater está disponibilizando o extensionista rural Doraci Bedin, do Escritório Municipal de Planalto, que tem vasto conhecimento em fruticultura, para dar apoio aos produtores. “As ações contemplam visitas para diagnóstico da situação, identificação dos problemas que possam estar ocorrendo com o solo, cobertura, fertilidade, poda, doenças, pragas e até auxiliar na comercialização dos produtos, fortalecendo não só a produção, como também a venda”, detalha Bedin.

A intenção é que a iniciativa, que tem a coordenação da regional da Emater de Frederico Westphalen, se torne permanente. “A cada ano, a produção de frutas está aumentando na região, os produtores adquirem mais mudas e ampliam as áreas destinadas à fruticultura”, justifica Bedin.

A partir desse trabalho, também serão realizados, ao longo do ano, eventos para a participação do produtor, como dias de campo, palestras e seminários. “O trabalho com a fruticultura vem sendo realizado há muito tempo pela Emater, e nós sentimos a necessidade de qualificá-lo. Muitos produtores estão iniciando na atividade e é importantíssimo qualificar essas ações”, justifica Schwerz.

Os municípios foram escolhidos de acordo com a sua vocação para a fruticultura, bem como aqueles onde a produção está em crescimento e que possuem programas municipais de apoio à atividade. “Nossa região tem grande potencial, onde as culturas de grãos ainda não atuam, não entram tão fortemente, o que possibilita uma expansão maior da fruticultura e uma qualificação. Hoje nós temos potencial para aumentar produtividade e também a qualidade das frutas produzidas na região”, finaliza Schwerz.