O desabafo de um policial militar de Frederico Westphalen tem chamado a atenção na rede social Facebook desde o início desta semana. Até o fechamento desta edição, a postagem tinha quase 60 comentários e 85 compartilhamentos.

Em sua página pessoal, o soldado afirmou que estava indignado com o fato de ter encontrado na rua, no último dia 13, um famoso autor de furtos conhecido no município como “homem-aranha”, que havia sido encaminhado ao Presídio Estadual de Frederico Westphalen no sábado, dia 11, após ser preso por furtar três locais diferentes naquela noite.

Segundo o militar, no momento em que encontrou o homem no dia 13, ele estaria rondando casas localizadas na rua Arthur Milani. “Ele entrou em oito casas até eu chamar a viatura e abordá-lo”, declarou o policial.

Procurado pela reportagem do jornal Folha, o soldado não quis falar formalmente sobre o assunto.

Informações divulgadas pela Brigada Militar

No boletim informativo do último final de semana, emitido à imprensa na segunda-feira, 13 de janeiro, o 37º Batalhão de Polícia Militar (37º BPM) com sede em Frederico Westphalen, divulgou a ocorrência relativa ao caso apontado pelo soldado no Facebook.

No documento consta que no sábado, em Frederico Westphalen, por volta das 20 horas, a guarnição, em patrulhamento na rua Tenente Lira, teria abordado um homem de iniciais V.V., conhecido no meio policial por cometer crimes. Com o suspeito, teriam sido encontrados objetos de “procedência duvidosa”, por isso ele foi encaminhado à Delegacia de Polícia (DP).

Mais tarde, a guarnição teria retornado às proximidades da rua Tenente Lira, onde havia denúncias de furto e arrombamento em vários estabelecimentos comerciais. As vítimas também foram encaminhas à Delegacia, onde reconheceram seus pertences e foi feita lavratura da ocorrência e efetuado o flagrante. Depois, o autor dos furtos foi encaminhado ao Presídio Estadual de Frederico Westphalen.

Pedido de prisão preventiva

Conforme o delegado titular da DP de Frederico Westphalen, Dinarte Marshall Junior, o indivíduo mencionado pelo policial militar, tem passagens por furto, estelionato, roubo e posse de drogas. A autoridade policial emitiu ao Poder Judiciário, no dia 29 de dezembro de 2013, um pedido de prisão preventiva, porém, a medida foi negada.

Em entrevista ao jornal Folha, o juiz da Primeira Vara do Fórum da Comarca de Frederico Westphalen, Régis Vanzin, explicou que foram analisados os elementos indicativos para o pedido de prisão preventiva. “Esse pedido primeiro vai ao Ministério Público, que é titular da ação penal, o qual se manifestou e entendeu que não há elementos para decretar prisão preventiva. Na sequência, sobreveio uma decisão da minha lavra, que indeferi a prisão preventiva adotando parecer do Ministério Público, porque realmente naquele caso, naquele momento, não estavam demonstrados os requisitos de uma prisão preventiva”, explicou Vanzin.

De acordo com o juiz, o indivíduo recebeu uma medida cautelar que o proíbe de ter qualquer tipo de contato com as vítimas do furto. “Se houver novo pedido de prisão preventiva, baseado em algum outro crime que ele tenha praticado, que não tenha sido levado em consideração na decisão, o caso será analisado novamente”, finalizou.

Cristiane Luza