Ao fim da audiência em que foram ouvidas seis testemunhas de defesa do processo que apura as circunstâncias da morte de Bernardo Boldrini, realizada na manhã desta quarta-feira, 10 de dezembro, no Foro de Frederico Westphalen, a ré Edelvânia Wirganovicz pediu para falar à imprensa a respeito de sua participação no caso, acompanhada do advogado que a defende, Demetryus Grapiglia.

Assista ao depoimento no vídeo abaixo.

Emocionada, ela disse que o irmão Evandro Wirganovicz - que também responde como réu ao processo, junto do pai de Bernardo, Leandro Boldrini, e da madrasta, Graciele Ugulini - é inocente. "Eu não matei o Bernardo. Eu somente fiz a cova", declarou.

Quando questionada pela reportagem do Folha sobre a participação de Evandro, ela respondeu que sofre por ele estar preso e que deseja que Evandro possa passar o Natal com a família. "Eu sei que ele é inocente, a minha mãe sabe, todo mundo sabe que ele não é capaz de fazer alguma coisa contra uma criança. O meu irmão é inocente. Tá lá, pagando por uma coisa que ele não fez. Não tem participação nenhuma do Evandro", defendeu.

Antes do início da audiência, familiares dos irmãos Wirganovicz fizeram um protesto em frente ao foro. Com cartazes, eles pediram para que Evandro ganhasse liberdade. Irmão dos dois, Airton Wirganovicz também afirma que acredita na inocência de Evandro. "A gente só veio porque temos certeza absoluta que Evandro é inocente, não deve nada. Se ele devesse alguma coisa, a gente não tava aqui", destacou Airton.

Sobre Evandro, Airton disse que o irmão tinha bom relacionamento com crianças e se dedicava ao trabalho. Confira o áudio abaixo:

Relembre o caso

O corpo de Bernardo Boldrini, 11 anos, foi encontrado na noite de 14 de abril deste ano. Ele estava enterrado em uma cova aberta às margens do rio Mico, na linha São Francisco, comunidade rural de Frederico Westphalen.

O garoto havia sido dado como desaparecido no dia 4 de abril. No decorrer das investigações, a Polícia Civil descobriu que a madrasta, Graciele Ugulini, havia saído de Três Passos em direção a Frederico Westphalen em companhia do menino.

Câmeras de segurança de um posto de combustíveis localizado no Centro de Frederico Westphalen registraram a madrasta e Bernardo saindo da caminhonete de Graciele para embarcar no carro de Edelvânia, que já os esperava em frente ao prédio onde morava. Foi o que levou à localização do corpo.

Cristiane Luza - policia@folhadonoroeste.com.br