Após uma das curvas apresentadas por essa coisa louca que chamamos de vida, Bárbara Scherer, que vive há mais quatro anos em Frederico Westphalen, encontrou no empreendedorismo uma maneira de fazer o que ama, se sentir realizada e ainda ter mais tempo para investir em si mesma. Foi dessa vontade e da paixão por uma prática que passou de mãe para filha que nasceu a DiBá Bolsas e Acessórios.

“Depois de sair do emprego, pensei em ficar um tempo em casa até que uma boa oportunidade de trabalho surgisse. Antes mesmo deste tempo, algumas imagens e publicações nas redes sociais trouxeram a vontade de fazer o velho crochê, mas agora de uma forma moderna e usável”, conta Bárbara. 

Além disso, outro desejo que fez com que Bárbara optasse pelo empreendedorismo é a busca pela qualidade de vida. “Posso trabalhar onde eu estiver, dentro do horário que desejar. Carrego comigo sempre um ou dois rolos de fio e algumas agulhas, em torno de duas horas uma bolsa nova surge. Quando não estou criando alguma peça, busco inspiração em outras artesãs e vídeos”, conta.

A Dibá

A Dibá é a marca de empreendedora que produz bolsas e acessórios de maneira completamente artesanal, por meio do crochê, prática que foi ensinada a ela pela avó desde muito cedo. “Além do crochê, ela me ensinou tricô, ponto cruz, bordado e pintura em tecido. Vivia mexendo nas suas sacolas cheias de emaranhados de fios, linha e agulhas”, relembra. 

A marca DiBá nasceu há menos de 6 meses, quase como uma brincadeira, mas já vem conquistando o coração de muita gente (inclusive o nosso). Além de lindas e superestilosas, as peças são sustentáveis, já que são produzidas a partir do fio de malha, que é um resíduo têxtil que seria jogado no lixo se não virasse obra de arte pelas mãos da Bárbara.

— Depois de fazer uma bolsa pra uso próprio, conversando com meu noivo, ele viu a possibilidade dessa terapia virar um negócio. Depois algumas amigas fizeram encomendas e ali eu vi que realmente daria pra empreender com o artesanato—, compartilha. 

As bolsas são simplesmente lindas e o melhor de tudo: podem ser utilizadas em diferentes ocasiões, desde uma proposto mais formal, como um evento à noite, até um passeio na praia, por exemplo.

O mais legal é que comprando produtos como esse você está contribuindo com um estilo de vida mais equilibrado, sem prejudicar o meio ambiente. (Lembra como já falamos por aqui como os números de poluição por conta da indústria têxtil são alarmantes?)

Quem esta usando

Estilista e proprietária da Unna Maison, Ângela Cristina Pessotto arrasou na escolha da bolsa modelo clutch em tom vermelho. A peça caiu como uma luva no look da estilista, que optou por um vestido da marca Saia com Arte, composto com uma camisa branca e arrebatado por com um casaco fuffly de etiqueta Unna.

A coaching financeira Rita Marasca escolheu um modelo também clutch, mas na cor laranja para compor sua produção mais casual, acompanhada de uma saia jeans e botas cano curto. Nós adoramos!

Para quem ficou interessado no trabalho da Bárbara, conheça mais pelo perfil do Instagram @dibabolsas.