Os atos antidemocráticos ocorridos no país, com campanhas contrárias nas redes sociais ao Supremo Tribunal Federal (STF) e Congresso Nacional, contaram com financiamento internacional. A revelação foi feita pelo ministro Dias Toffoli, durante participação ao vivo no programa Canal Livre, da TV Bandeirantes.

Apesar da declaração, Toffoli afirmou que não poderia dar mais detalhes sobre o inquérito, mas classificou as informações como “gravíssima ao país”.

– Não posso dar maiores detalhes a respeito, mas esse inquérito que combate as fake news e os atos antidemocráticos, em quebra de sigilo bancário já identificou financiamento estrangeiro, internacional a atores que usam as redes sociais para fazerem campanhas contra as instituições, em especial, o Supremo Tribunal Federal e o Congresso Nacional – explicou.

Ainda segundo o ministro do STF, as investigações estão em andamento e está sendo avaliado pelo ministro Alexandre de Moraes. “A história do país mostrou o que isso levou no passado, o financiamentos a grupos radicais, seja de extrema direita ou de extrema esquerda, para criar o caos e desestabilizar a democracia no nosso país. Estamos investigando isso, não posso dar maiores detalhes, mas é fundamental ir a fundo nessa questão”, frisou.

O inquérito das fake News foi aberto ainda em 2019 por determinação do então presidente do STF, Dias Toffoli, e busca investigar a disseminação de notícias falsas e ameaças aos integrantes da suprema corte. Apesar de ser contestado pela Procuradoria Geral da República (PGR), em junho de 2020, o plenário do STF decidiu pela legalidade da abertura da investigação.