Após um ano e meio da decisão de que Palmeira das Missões sediaria o curso de Medicina da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), uma reunião realizada na quinta-feira, 14, na Associação Comercial e Industrial (ACI) pode dar outro rumo no processo. A proposta está sendo pleiteada pela diretoria da ACI, em especial pelo vice-presidente da entidade, o empresário Darci Mariotti, que já estabeleceu diversos contatos para a elaboração do projeto-técnico que será encaminhado nos próximos dias à reitoria da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Mariotti, em entrevista ao Folha, disse que Frederico Westphalen tem condições de disputar o curso da mesma forma que Palmeira das Missões. Outro motivo alegado pelo empresário é de que a unidade do Hospital Público Regional (HPR) em Frederico Westphalen ficará pronta antes que a de Palmeira das Missões. “Vamos unir forças e lutar para que o curso venha para o nosso município. O prefeito de Frederico Westphalen, Roberto Felin Junior, e o presidente da Câmara de Vereadores de Frederico Westphalen, Diogo Duarte, também nos garantiu apoio, assim como outras lideranças”, explicou.

O empresário entregou um relatório onde estão definidos os próximos passos da viabilização do projeto. O presidente da Câmara se comprometeu em visitar as lideranças regionais na busca de novas adesões em prol da ideia. 

Já a presidente da ACI, Simonia Gonçalves de Oliveira, afirmou que o curso atrairá estudantes de outras regiões e movimentará a economia regional.

UFSM

Em 2012, durante as reuniões sobre o assunto, um dos critérios utilizados para definir que o campus da UFSM em Palmeira das Missões sediaria o curso, foi a localização do Departamento de Saúde da universidade na região.

O diretor da UFSM, Genésio da Rosa, disse que não sabe sobre a iniciativa da ACI. “O que existe de fato, em relação a implantação do curso, é um processo que busca um curso de Medicina em Palmeira das Missões. Isso está definido em função de que o Departamento de Saúde da universidade fica naquele município. Esse processo está tramitando oficialmente há sete meses e não deve parar”, explicou o diretor. 

Ana Paula Tamiozzo