Através do Tempo

Edição 73. Uma profunda trajetória de história em constante transformação diária, quinzenal, mensal! Mas por trás de tantas vidas, emoções, superações e inspirações, quem já lhe contou essas infinitas versões? Quantos espelhos foram abertos e sorrisos se puseram a mostra após curtas páginas que o Bella lhe permite mergulhar?

Foram quase três anos dessa história, entre uma pausa para viver uma nova versão de si e um novo ponto final para novamente se (re)encontrar. Ah as mudanças, tão necessárias e importantes para que o novo possa entrar e permanecer.

Desde a edição 69, a linguagem por aqui começou a se reformular, quem sabe você tenha sentido essa mudança, mas a essência do Caderno Bella, aquela que ganhou vida em março de 2017, continua a mesma até aqui, mesmo que adaptada aos novos tempos. Mas quem a construiu? Quem transcreveu, passo a passo, com um olhar genuíno um caminho único e irreverente?

Pérola Ceron, a menina-mulher dos olhos azuis, do coração e alma leve. A nossa Bella! Tantas histórias contadas por aqui, que hoje, nesta edição, não poderia ser diferente. Convido você para conhecer, para além, uma jornalista, amiga, sonhadora e dona de um sorriso que conversa e convida.

Natural de uma pequena cidade do Norte gaúcho, chamada Ipiranga do Sul, Pérola se reveste de amor e aconchego. “Em Ipiranga, minha terrinha e recanto da saudade, guardo minhas melhores lembranças: a de um lar cheio de amor e carinho, de uma infância livre e saudável, com direito a muito pé na terra e esconde-esconde na rua”. conta ela, entre uma lembrança e uma saudade.

É para lá que ela ainda volta sempre que precisa recarregar suas energias, no porto seguro da família e amigos. Nos abraços de seus pais Miriam Ines Ceron e Claudio José Ceron e no cuidado diário com o caçula Arthur, por quem Pérola move montanhas.

Revestida de amor e incentivo da família, ela nutria sonhos:

- Fazer um intercâmbio, morar perto da praia, ser bem-sucedida profissionalmente, viajar e conhecer novos lugares. Mas o ponto principal era: para realizar tudo isso, sabia que precisaria alçar voos mais distantes, ficando longe de quem mais amo no mundo, minha família. Então sempre vivi esse empasse, ir atrás do que sonho e quero pra minha vida, ou ficar no aconchego do meu lar, com a minha família-.

Com o tempo e com o destino acontecendo da forma que deveria, Pérola saiu de casa, mudou seus planos e se encontrou no hemisfério do Jornalismo. Desde criança, se mostrava apaixonada pelo mundo das artes e da curiosa comunicação. Cursou um semestre de faculdade de Artes Cênicas em Santa Maria, para perceber que o jornalismo era a profissão que deseja seguir. Em 2015 mudou-se para Frederico Westphalen e iniciou a sua caminha na UFSM-FW. Nesse meio tempo, algumas certezas foram descontruídas e outras fortalecidas e uma delas era o gosto pela prática, ela queria, literalmente “colocar a mão na massa”.

Buscando sempre oportunidades no mercado de trabalho, e quase encerrando o ano, 2016 a surpreendeu. “Entregando currículos por toda cidade quando fui surpreendida com uma mensagem do Rafael Franceschet, meu amigo da vida que me acompanha até hoje e vem sendo peça importante na minha caminha profissional e também como pessoa. Enfim, ele me chamou dizendo que estavam procurando alguém com o meu perfil no Jornal Folha do Noroeste, para um novo projeto, e que eu deveria levar meu currículo” relembrou.

E lá foi ela, quase que instantaneamente, para não deixar a oportunidade escorrer entre os dedos. “Deixei meu currículo por lá e algum tempo depois recebi o contato da Carla Silva, mulher incrível que até então não conhecia, mas se tornou uma mãe em Frederico para mim”.

E nesse momento, surgiu um novo projeto. O sonho tinha nome: Caderno Bella. Um caderno voltado ao público feminino, reunindo pautas sobre moda, saúde, comportamento, ou seja, tudo voltado ao público feminino. Tudo o que a nossa Bella sempre amou.

E foi assim que ela iniciou a sua trajetória, no 4º semestre da faculdade e após diversas pesquisas para compreender as demandas do público, o Caderno Bella ganhou vida em 03 de março de 2017, em um lindo evento, no Deck do antigo Maria Lúcia, a primeira capa tomou forma com a história da eterna Miss Brasil Rafaela Zanella.

- Foi um processo muito lindo, de descobertas e aprendizados, onde a Carla e o Eder Calegari (nosso editor-chefe), me deram toda a liberdade necessária para deixar esse processo de criação fluir. Realmente construímos tudo do zero, nós e todos os colegas de redação, diagramação e comercial -, acrescentou.

O Bella

As 16 páginas ganharam vida, mulheres tiveram espaço e biografias reais foram contadas. Convido você a acompanhar a visão da "Bella" que escreveu sobre tantas outras Bella’s e infinitas personalidades.

A história contada por Pérola

- Desde o princípio a ideia do Caderno era poder representar e aproximar um público que consome esse tipo de informação e conteúdo, com algo nosso, daqui. Quantas mulheres acompanham revistas que são referência nacional no assunto, como Vogue, Marie Claire, ZH Donna e por aí vai. Porém, a grande questão, é que parte desse conteúdo ainda é distante de nós: tendências que não se aplicam as nossas rotinas corridas, ou realidades muito distintas das nossas.

- O Bella surgiu para suprir justamente essa demanda. Buscamos representar, em todas as edições, mulheres fortes, reais, que tinham algo a compartilhar e de certa forma, eram também inspiração para outras mulheres. Dessa maneira, todas as edições traziam na capa uma mulher, a nossa “Bella”, e ao longo do caderno pautas sobre o universo feminino.

- Buscamos sempre, até mesmo nos ensaios, representar os ambientes onde essas mulheres viviam, verdadeiramente. Suas casas, seus trabalhos, sem muita maquiagem, ou com muita maquiagem para quem gosta. Sempre pensando em reverberar a verdadeira essência de mulheres das mais diferentes idades, gostos e estilos. Mulheres reais, como eu e você, que está lendo esse caderno. Que não são perfeitas, nem carregadas de fotoshop. Mulheres que estão aprendendo constantemente e que tem muito a compartilhar, sim, mas sempre mais a aprender.

- Com o tempo o caderno foi se moldando. As mulheres da capa deram espaço para pautas que precisavam ser abordadas. Falamos sobre corpo fora dos padrões, sobre feminismo, alimentação saudável, saúde mental, maternidade real, sexualidade feminina e muito mais.

- É muito gratificante pensar que aos poucos, ajudamos como um todo a desconstruir padrões sociais que são reproduzidos. Isso, muitas vezes involuntariamente, pelas próprias. O acesso à informação de qualidade é um passo crucial para a construção de uma sociedade cada vez mais igualitária, por isso, poder levar esse conteúdo para as mulheres do interior gaúcho, é incrível.

- Se engana feio quem pensa que esse tipo de conteúdo é futilidade! Esse é um espaço de todas nós mulheres, em que temos voz plena para reverberar nossas verdades, conquistas e aspirações. Aqui é mais um momento onde nós podemos fazer e ser ouvidas, de mulher paramulher.

Aprendizados

- Além da minha construção profissional, que se deu em grande parte por conta do caderno, o Bella me trouxe ensinamentos para a vida. Cada encontro, cada entrevista, cada busca por uma nova pauta, me traziam novos aprendizados. Muitos deles levo comigo e procuro aplicar na minha rotina até hoje -, expressou ela, radiante, ao recapitular parte de uma trajetória importante da sua carreira.

De fato, o Caderno Bella, para além de contar histórias e "antenar" as mulheres sobre todos os assuntos que nos rodeiam, é feito com amor, atenção, cuidado em cada detalhe, empatia e companheirismo. Nossa linguagem conversa com a força feminina, sobre sororidade.

- Aprendi também com nossas Bellas, a importância de gerir nosso tempo, de dar tempo ao tempo e de levar uma rotina mais leve. Os benefícios para o corpo e para alma, de uma alimentação saudável e o quão sagrado é o nosso eu feminino e o quanto a autoaceitação é um amor de dentro pra fora, que cura -. Resumiu.

O Bella se consolidou, dia após dia, e novos projetos começaram a surgir. Pérola finalizou sua graduação conciliando TCC, rotina universitária e o trabalho. “Um verdadeiro perrengue”, narrou ela, entre risos, “mas foi exatamente como tinha que ser e foi incrível”, acrescentou.

- O jornal Folha do Noroeste faz parte da minha história, de quem sou. Meus colegas, as pessoas que convivi diariamente são parte importante da minha vida. Construí amizades que levarei sempre comigo não tenho dúvidas! A palavra que resume tudo isso é a gratidão. Nem o mais alto dos “Muito obrigada” da

conta de agradecer por tudo o que essa equipe fez por mim -. Finalizou ela, que por muito tempo esteve por trás do teclado e que hoje, merecidamente, estampa a capa do nosso, do dela e todas vocês, Caderno Bella.

O que mudou de lá pra cá

No fim de 2019, recebeu uma proposta de emprego em Brusque, Santa Catarina, para trabalhar em uma grande empresa varejista do país. Segue na área de comunicação, porém, não numa empresa de mídia, mas na conhecida rede Havan que também possui lojas no RS. Mesmo com o coração apertado por saber que parte de sua história estava se encerrando em FW, encarou o novo desafio como um presente, uma conquista.

Um dos seus sonhos de infância sempre foi morar na praia, ou perto dela. E essa foi uma das maiores surpresas do novo endereço que ela se encontra: pertinho da praia, quase como um quintal de casa! Um sorriso frouxo acompanha sua rotina diária e a serenidade no olhar de quem tanto buscou e hoje está realizando, mais um sonho.

- Desde então minha rotina mudou muito. Todos os momentos se tornaram descobertas e todos os dias me deparo com novos aprendizados, entre eles, a oportunidade de vivenciar uma nova relação com o trabalho em sí, fato que as grandes corporações nos proporcionam. Os momentos de lazer têm destino certo: praia! Sempre tive uma relação muito forte com o mar, o céu e a natureza e aqui estou eu, alimentando ainda mais essas experiências. O meu bem estar mental sempre esteve em pauta em minha vida, e agora, longe da família, procuro me encontrar e entender ainda mais -, contou Pérola que busca, diariamente, equilibrar corpo, mente e espírito.

Hoje, aos 22 anos de idade, Pérola, Pero ou Perolina – como costumava e continuo chamando carinhosamente –, inspira a todos que estão perto dela (inclusive a mim, atual editora do caderno).

Seja como for, as formas e as infinitas versões as qualificam por si só. Pérola, não só construiu essa história, deixou seu nome registrado por onde passou, como uma eterna e dedicada Bella!

Para você, ser Bella é?

Por três anos fiz essa pergunta e compartilhei com nossas "Bellas" as mais diferentes perspectivas e respostas. Para mim, a beleza está em tudo e todos. Ela muda, se transforma, mas está sempre ali! Hoje ela significa, mais do que tudo, a gratidão. Agradecer e agradecer. Enxergar o lado bom até mesmo nas coisas ruins. A beleza é relativa e pessoal, mas a gratidão é universal, não envelhece nem sai de moda. Isso é ser Bella!