O Carijo da Canção Gaúcha, realizado anualmente em Palmeira das Missões, é um festival de música nativista com duração de cinco dias.

Há mais de três décadas de história, o festival possibilita à comunidade a apreciação da arte, gastronomia e a história gaúcha, além de promover turismo e entretenimento. 

Após dois anos sem evento, em virtude da pandemia causada pela Covid-19, neste ano, o Carijo chegou em sua 35ª edição. 

Paralelamente ao Carijo, ocorre o Carijinho, que distribuiu mais de R$ 6 mil em prêmio e celebrou a 19ª edição. 

Na relação de vencedores do Carijinho, João Paulo da Silva, 16 anos, santa-mariense de nascimento, mas palmeirense de coração, conquistou o primeiro lugar como “Melhor Instrumentista”. 

- Foi uma experiência única, fazer o que eu gosto em um festival tão grande, com grandes músicos e intérpretes. Foi uma sensação incrível, afinal, a música é uma relação que vem de casa, é diária e algo que me completa e faz com que eu me sinta bem -, conta o instrumentista. 

João Paulo é filho de Enemar José da Costa Soares e Carmem Lucia da Silva Soares. Para eles, a sensação foi diferente, de amor e admiração. “A minha sensação foi de orgulho ao ver meu filho expressando o seu talento no palco e orgulho maior em dividir o palco com ele”, afirma o pai. 

Para a mamãe Carmem, o sentimento foi o mesmo. “Me senti orgulhosa em ver meu filho adolescente demonstrando seu talento. É a recompensa pela dedicação e esforço do João. E o nosso constante incentivo e apoio como pais. Na minha opinião, meu filho tem mais que talento, ele tem o dom e esse dom é um grande presente de Deus”, destaca Carmem. 
João toca violão de seis e sete cordas, guitarra e baixo. Não foi à toa que ele conquistou o primeiro lugar como melhor instrumentista do Carijinho, afinal, a música o acompanha desde os seus primeiros anos de vida. 

- Desde pequeno assistia a minha irmã cantar em festivais, minha mãe a cantar na igreja e meu irmão a tocar violão. Então, decidi entrar nesse mundo por meio do violão, iniciei com as aulas e, ao longo do tempo, comecei a tocar na igreja e nunca mais parei. Ganhar esse prêmio e logo na primeira apresentação, é muito gratificante. Faz valer à pena o esforço e o dom que eu tenho. Quero construir um legado e deixar a minha marca no coração das pessoas -, finaliza João Paulo.