Com 1.047 leitos livres para casos graves, a ocupação de unidades de terapia intensiva (UTIs) no Rio Grande do Sul reduziu de forma gradativa durante o mês de julho chegando a 69,3% na tarde desta quinta-feira, 22. Considerando o aumento na oferta de leitos e mais da metade dos gaúchos vacinados com a primeira dose contra Covid-19, a rede hospitalar gaúcha vive hoje uma tendência crescente de folga na ocupação hospitalar. Em março deste ano, quando o cenário era de colpaso, o sistema chegou a ter 114% de ocupação nas UTIs. 

O contraste dos índices de hoje, comparados aos de quatro meses atrás, também se apresenta no volume de internados em UTIs, considerando positivos e suspeitos para Covid-19. Na tarde desta quinta-feira são 1.136 pacientes nesta situação, o menor volume desde 19 de fevereiro. Em menor ritmo de queda estão os internados com outras doenças, que hoje somam 1.232.

Na região Covid de Palmeira das Missões, na manhã desta sexta-feira, 23, a taxa de ocupação de leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) estava em 67,4%, conforme o sistema de regulação estadual.

Já no Hospital Divina Providência (HDP) em Frederico Westphalen, conforme boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira, 22, estava com cinco pessoas internadas até esta quinta-feira.