A arte pra mim está ligada a tudo. Ser ator vai além do que apenas contar histórias individuais”, assim soa o sentimento de um artista, ou melhor dizendo, do artista gaúcho que conquistou as mais diversas telinhas, Francisco José Marcolan Suzano, ou Chico Suzano, como é conhecido artisticamente. Natural de Palmeira das Missões, aos 26 anos, Chico respira o melhor da arte na cidade maravilhosa, o Rio de Janeiro.

- Sempre acompanhei muito as novelas e cinema e me pegava pensando como seria vivenciar algum personagem, sabe? Acho que foi isso que me despertou pra esse lugar. Na infância também não tive nenhuma ligação com o teatro. Costumo dizer que não tenho uma história de “ah eu fazia teatro na escola” para contar. Acredito que só entendi mesmo que era isso que eu queria quando já estava aqui no Rio, em cima de um palco. Graças a Deus tive a ousadia de arriscar e uma família que me apoiou e apoia sempre as minhas peripécias. Sou grato a eles por terem me dado essa oportunidade de descobrir o teatro em mim e entender que sem isso eu não vivo -, contou. 

O sonho real de Chico, iniciava em 2011, quando mudou-se para o Rio de Janeiro para iniciar um curso profissionalizante para atores na Casa das Artes de Laranjeiras – CAL, estudou e se formou na faculdade de artes cênicas e finalizou uma pós-graduação como diretor teatral.

- Logo no início da CAL eu chamei a atenção de algumas diretoras da escola, as quais, me deram a oportunidade de trabalhar como assistente de direção com elas - Celina Bebianno e Ticiana Studart - e nessas assistências eu também participava de algumas peças que elas dirigiam. Fui sugando todas as informações e me preparando pra vida profissional. Também tive a oportunidade de ficar um tempo ao lado da Fátima Toledo, uma das maiores preparadoras de elenco do país, a qual me proporcionou cada vez mais contato com o cinema -, relembrou. 

Ao longo desses anos, Chico foi se reinventando e agregando conhecimento com oportunidades no meio teatral, televisivo e cinematográfico. Entre passagens e novos desafios, participou de novelas da Globo como Os dias eram assim, Malhação e O tempo não para, na Record com participação na novela Gênesis e no Cinema, Fala comigo e Os dias eram assim. “É uma profissão difícil e concorrida, e aos poucos vão surgindo novas oportunidades. O segredo é não se acomodar e correr atrás”, afirmou. Em 2019, dirigiu uma peça que havia sido censurada durante a ditadura, intitulada “Milagre na Cela de Jorge Andrade”, onde obteve uma temporada com sucesso de crítica. 

Rio Web Festival


Este ano não seria diferente e Chico encarou um novo desafio, participar do maior Festival Internacional de Webséries. O Rio Web Festival chega em sua sexta edição e contempla séries produzidas para o YouTube. 

- Os jurados assistem as séries realizadas para a internet e que são inscritas pra participar do festival, ou seja, são séries do mundo todo. A votação, que é aberta ao público, é para apenas uma categoria, ou seja, websérie completa. Já para as categorias de melhor série, produção, ator, atriz e direção, somos julgados pelos críticos que definem quem leva o troféu e o prêmio para casa. É um dos maiores festivais dessa categoria, fico feliz em ter meu trabalho individual reconhecido e o trabalho em grupo da nossa série -, destacou. 

A Websérie que Chico faz parte do elenco se chama “Marotos: Uma História”, a qual faz parte do universo de Harry Potter, escrito por J. K Rowling. “Nós contamos a história da primeira guerra de bruxas e temos os Marotos Sirius Black, Thiago Potter, Remo Lupin e Pedro Pettigrew, como protagonistas, entre outros personagens icônicos”, disse. A Websérie Marotos contará com três temporadas com, aproximadamente, oito episódios em cada.
Chico Suzano está concorrendo ao Rio Web Festival, na categoria de Melhor Ator, enquanto a série concorre a seis indicações, entre elas, Melhor Elenco, Melhor Abertura, Melhor Figurino, Melhor Produção, Melhor Maquiagem e Melhor Arte.

- A arte ensina, educa, critica, problematiza, incita refletir e mostra a vida como ela realmente é. Pelo menos para mim, ela me preenche como um todo. Acho que jamais seria feliz se não vivesse da arte, é uma profissão extremamente difícil, mas muito satisfatória. A sensação de estar em cima de um palco ou estar em um set e ter seu trabalho chegando e tocando nas pessoas de uma forma tão diferente, verdadeira e única, é inexplicável. Fico feliz de contar um pouquinho da minha trajetória e do meu trabalho e poder mostrar ele para o mundo”, finalizou o ator.

Confira a baixo o episódio 1 de Marotos - Uma história: