Em apoio à toda a mobilização que há no Rio Grande do Sul acerca do parcelamento dos funcionários públicos, escolas do Estado aderem, durante essa terça-feira, 18 de agosto, à paralisação das atividades. A Assembleia do Magistério acontece às 10 horas, em Porto Alegre, enquanto a Assembleia Unificada tem início previsto para as 14 horas. 

No 26ª Núcleo do Cpers/Sindicato, com sede em Frederico Westphalen e que abrange 18 cidades da região, a maioria das escolas aderiu à paralisação e fortalece o apoio ao movimento. De acordo com o Núcleo, cinco ônibus partiram para Porto Alegre para participar da Assembleia. A expectativa é que, até o meio-dia de hoje, já haja um parecer em relação às decisões tomadas, não descartando a possibilidade de greve. Em Frederico Westphalen, algumas escolas anunciaram a paralisação das atividades durante essa terça-feira.

– Vamos aguardar para ver o que a Assembleia decidirá e, a partir desse consenso a nossa escola tomará a sua decisão em reunião interna que acontecerá às 19 horas de hoje –, afirmou a professora Clarice, da Escola Estadual Técnica José Cañellas, de Frederico Westphalen.

ESCOLAS PARALISADAS EM FW:

Escola Estadual Ensino Fundamental Afonso Pena Escola Estadual Cardeal Roncalli Escola Estadual de Educação Básica Sepé Tiarajú Escola Estadual Ensino Fundamental Santo Inácio Escola de Ensino Fundamental Monsenhor Vitor Batistella Escola Estadual Ensino Fundamental Mal Castelo Branco Escola Estadual Técnica José Cañellas  

Em reunião do Conselho Geral do CPERS, foram definidas as pautas de mobilização que serão votadas na Assembleia Geral da entidade. Entre as propostas aprovadas estão: * Deflagrar greve, por tempo determinado, conforme indicativo da Coordenação Unificada dos Servidores Públicos, exigindo a retirada do PLC 206/2015 e outros PLs que atacam o serviço e os servidores públicos; * Pressionar o governo por um calendário para pagar o Piso Salarial do Magistério, contemplando os funcionários de escola e os aposentados, pela PEC 41, e realizar as nomeações de professores e funcionários de escolas; * Manter estado de greve se o governo não pagar os salários na integralidade e não retirar os PLs que atacam os servidores e serviços públicos e retomar a greve nos dias 31 de agosto, 1º, 2 e 3 de setembro, chamando para um Conselho Geral Ampliado para definir os rumos do movimento; * Organizar visitas nas Câmaras de Vereadores para fazer pressão nos parlamentares nos dias de sessão; * Cobrar dos deputados federais e senadores, apoio à renegociação da dívida, contra o PL 131 do senador José Serra e a regulamentação da lei dos royalties do petróleo; * Participar da 4ª Ação da Marcha Mundial de Mulheres, nos dias 26, 27 e 28 de setembro, em Santana do Livramento; * Manter as alternativas apresentadas pelos Servidores Públicos Unificados: Ataque a sonegação; Renegociação da dívida; Cobrança da Dívida Ativa de 8 bilhões; * Apoiar a luta pela reintegração dos rodoviários da empresa Carris demitidos, por liderar a luta por segurança; * Exigir do governo a manutenção do calendário de pagamento que existia e foi desmontado.

 

SEGURANÇA PÚBLICA

Policiais da região estão indo a Porto Alegre para participar da mobilização. As atividades das Delegacias de Polícia (DP's) estão paralisadas. Com isso, são atendidos somente casos graves, como crimes contra a vida. A orientação é que outras ocorrências sejam registradas na Delegacia OnLine.

Os trabalhos da Brigada Militar seguem normalmente. Também há militares do 37º Batalhão de Polícia Militar (37º BPM) que estão indo para a Capital.

Membros da Associação Única dos Policiais Militares do Médio Alto Uruguai (AUPM-MAU) estão na Capital hoje. FOTO - Divulgação

Almir Felin