O presidente da Associação de Municípios da Zona da Produção (Amzop) e prefeito de São Pedro das Missões, Antônio Ferreira da Silva, anunciou nesta terça-feira, 8, que a entidade está reforçando aos 43 prefeitos que integram a abrangência da associação, o reforço de acompanhamento do avanço da pandemia, especialmente quanto a alta taxa de ocupação de leitos de UTI dos hospitais da região. 

– Estamos preocupados com o agravamento da situação, mas por outro lado orientamos e sabemos que os prefeitos baixaram decretos com medidas mais restritivas a fim de evitar a disseminação do coronavírus. Percebemos que os prefeitos definiram protocolos mais rígidos dos definidos pelo decreto do governo estadual e isso nos tranquiliza no sentido de que estamos no caminho certo e que em breve a situação melhore, com a redução do número de pessoas internadas – disse Silva, ressaltando que a Amzop também monitora a situação regional. 

Demanda de cuidados por falta de oferta de leitos

O presidente da Amzop recorda que a necessidade maior de cuidado pela população regional, se deve a pouca oferta de leitos de UTI. Dos 43 municípios da associação, em apenas dois (Frederico Westphalen, no Hospital Divina Providência, e Palmeira das Missões, no Hospital de Caridade) há disponibilidade de leitos de alta complexidade. Em FW, são ofertadas 15 vagas de UTI, e em Palmeira das Missões 10 vagas. 

Antônio Ferreira da Silva também detalha que a região possui um Comitê Técnico regional atuando e que o mesmo acompanha rotineiramente a realidade do novo coronavírus nos municípios da associação, além da região Celeiro, que juntos integram a região Covid de Palmeira das Missões. 

Em relação aos protocolos adotados, os prefeitos da Amzop deverão se reunir virtualmente nos próximos dias para debater as medidas e definir novas ações, se os gestores municipais julgarem necessárias. 

Até o momento, o prefeito de Palmeira das Missões foi o que adotou as medidas restritivas mais duras, com fechamento do comércio, já que a cidade é uma das que possui os mais altos números de Covid-19. Em FW, houve restrições do funcionamento de atividades esportivas e confraternizações, mas, até o momento, sem afetar o funcionamento das atividades comerciais.