Com experiência de mais de 30 anos na atividade, aperfeiçoamento técnico e força de trabalho, a família de Clenio, esposa Suzi e filha Bianca Azevedo, moradores da Linha União, em Pinheirinho do Vale, tem obtido na cultura do fumo, aliada à bovinocultura de leite, o sustento como também a melhoria da qualidade de vida.

Com 3 hectares dedicados ao plantio do fumo, a propriedade tem 50 mil pés da planta e, para este ano, estima colher 700 arrobas – 10.500 quilos. “Se não ocorrer uma chuvarada nos próximos dias, devemos iniciar a colheita em um prazo de 20 dias. Ainda não há uma garantia de quanto será pago pela arroba, porém, no ano passado, o valor foi de R$ 179”, explica Clenio, em entrevista a Carlos Alberto Casagrande, durante o programa Vitrine Rural, pela 95.9 FM.

Os produtores não contam com mão de obra externa durante o plantio e desenvolvimento do fumo, somente são contratados trabalhadores para o período de colheita. A propriedade é exemplo de gestão, inclusive, já conta com sistema de energia solar, instalado pela SolSul – Rede Brasil Solar, contando com investimento por meio de financiamentos, com apoio da Sicredi Alto Uruguai RS/SC/MG.

– Esse ano deverá ser um dos melhores em termos de produtividade. O segredo é adubação na hora certa, correção de solo, manejo e até como foi a produção da muda –, completa o produtor.

Produção no município

Atualmente, conforme dados da Secretaria Municipal de Agricultura, o município de Pinheirinho do Vale conta com cerca de 300 hectares dedicados à cultura, com uma expectativa de colheita em torno de 2.500 quilos por hectare. O secretário municipal de Agricultura, Dário Scherer, detalha que a prefeitura auxilia os produtores quando é solicitado o transporte de adubo orgânico e também na manutenção das estradas de acesso para carregamento do fumo.

Estado e região

De acordo com a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), no Rio Grande do Sul, considerando a safra 2020/2021, 70.997 famílias produzem fumo, em uma área total de 123,1 mil hectares, produção de 283,4 mil toneladas e produtividade média estimada em 2.302 quilos por hectare.

Na região, também segundo a associação, os três municípios com maior produção de fumo são Alpestre, com 569 famílias, 754,3 hectares e produção de 1.466 toneladas; Caiçara, com 449 famílias, 671,7 hectares e produção de 1.280 toneladas e Vicente Dutra, com 348 famílias, 415,8 hectares e 810 toneladas.

Depois aparecem Palmitinho, com 209 famílias, 246,9 hectares e 479 toneladas e Iraí, com 230 famílias, 241,2 hectares e 470 toneladas. Frederico Westphalen tem 107 famílias dedicadas à produção de fumo, 93,7 hectares e 183 toneladas. Da região de abrangência do jornal Folha do Noroeste, Boa Vista das Missões, Cristal do Sul e Palmeira das Missões não possuem registro junto à Afubra quanto à produção de fumo.