Um grupo de lideranças políticas e empresariais do Rio Grande do Sul participou de videoconferência com representantes de setores da infraestrutura do governo federal e de empresas do setor ferroviário, com o objetivo de pressionar pelo andamento do projeto da Ferrovia Norte-Sul. 

Representando a Associação de Municípios da Zona da Produção (Amzop), estiveram participando o presidente da entidade, Antônio Reginaldo Ferreira da Silva, o prefeito de Iraí, Antonio Vilson Bernardi, e o secretário-executivo da entidade, Edinaldo Rupolo Rossetto. 

No encontro, realizado na terça-feira, 15, o diretor de Transporte Rodoviário do Ministério da Infraestrutura, Ismael Trinks, admitiu que a construção do trecho sul da ferrovia não é uma prioridade do governo federal. 

Conforme Trinks, os investimentos no curto prazo estão concentrados na prorrogação antecipada da malha sul, com a recuperação de trechos que hoje estão abandonados. 

Mobilização e cobrança

Um dos políticos presentes, o deputado federal Jerônimo Goergen (Progressistas), ressaltou que a falta de prioridade para a construção de novos quilômetros de ferrovias não irá tirar a mobilização política para a obra, especialmente, em razão da importância de haver uma ligação ferroviária entre o Norte do RS com o porto de Rio Grande. 

– São frentes diferentes e uma não exclui a outra. Precisamos conhecer em detalhes o plano de investimentos da Rumo, que é algo muito positivo, mas faremos pressão política pela Norte-Sul, que inclusive já tem seu traçado definido a partir do estudo de viabilidade técnica – argumentou o parlamentar.

Conforme o estudo, o traçado da Ferrovia Norte-Sul deverá contemplar os municípios da Amzop, o que se tornaria um importante auxílio e melhoria da infraestrutura regional.

– Levamos anos discutindo o traçado. Isso é uma questão política. Não podemos deixar esse projeto abandonado. Temos 79 novas indústrias se instalando no Estado e outros tantos projetos para os próximos anos. E não podemos abrir mão disso tudo – afirmou no encontro o secretário de Desenvolvimento Econômico do RS, Edson Brum. 

Já o senador Luis Carlos Heinze (Progressistas) afirmou que está trabalhando para pautar no Senado o projeto que pretende destravar R$ 25 bilhões em investimentos na malha ferroviária nacional. O parlamentar também considera importante a recuperação de trechos ociosos, mas enfatizou que levará o assunto da Norte-Sul até o ministro Tarcísio Gomes de Freitas e, se preciso, ao presidente da República, Jair Bolsonaro.