Em dois dias termina o Horário Brasileiro de Verão. Os relógios devem ser atrasados em uma hora à meia-noite de amanhã, 15, para domingo,16, nos estados do Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Distrito Federal. Mesmo com as temperaturas elevadas e o excesso de aparelhos ligados, como climatizadores e ventiladores, o aproveitamento da luz natural gerou economia para os consumidores.

A Rio Grande Energia (RGE) atende 262 municípios no Rio Grande do Sul e registrou a redução de 0,63% no consumo de energia elétrica na área de concessão. No horário de pico, entre 18 horas e 21 horas, a demanda diminuiu 5,25%.

Segundo a RGE, a economia no consumo durante o horário especial corresponde a 23.690 megawatt-hora (MWh), valor suficiente para abastecer o município de Frederico Westphalen por 126 dias.

A previsão de calor continua para as próximas semanas, mas a concessionária não divulga informações sobre um possível aumento de consumo após o horário de verão.

Já o governo federal estima uma economia de R$ 4,6 bilhões em investimentos de geração e transmissão de energia, além de R$ 400 milhões em acionamento de usinas térmicas.

Reajuste na conta de luz

Para cobrir um déficit de R$ 5,6 bilhões da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propõe que consumidores paguem, em média, 4,6% a mais na conta de luz em 2014.

O reajuste será somado ao aumento periódico que cada concessionária deverá fazer para 2014.

Conta de Desenvolvimento Energético

CDE é um fundo utilizado para promoção de investimentos e garantia de subsídios de energia à população em situação de vulnerabilidade social por meio de programas sociais do governo, e assegura competitividade de fontes de energia alternativa.

Natalia Nissen