O Conselho Regional de Desenvolvimento (Corede) Médio Alto Uruguai recebeu a Caravana da Inclusão do RS Mais Igual na tarde de hoje, 22, no Pavilhão da Matriz Santa Terezinha, em Erval Seco, para o lançamento do programa na região. Mais de dois mil beneficiários, de 22 municípios, participaram do lançamento. Na região 2,3 mil famílias são beneficiadas, em Erval Seco 178 famílias integram o programa.   De acordo com o secretário-chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, o programa é uma espécie de porta de entrada para uma vidas digna, uma vida melhor, garantida através de uma renda mínima. “RS Mais Igual é uma complementação no recurso que as famílias já ganham no Bolsa Família para aquelas famílias que tem criança de  zero a 6 anos e são extremamente pobres. A somo do recurso Bolsa Família mais o recurso do RS Mais Igual vai garantir R$ 100 por indivíduo na família”, afirmou Pestana.   O RS Mais Igual tem como base a implementação de políticas públicas que buscam, até 2014, tirar da linha da pobreza extrema 306,6 mil gaúchos que ainda vivem em condições degradantes e desumanas, através da inclusão nos programas federais e dos projetos e ações de cada uma das secretarias e órgãos do governo estadual.   Segundo o prefeito de Erval Seco, Gilmar Leschewitz, o encontro é bastante importante porque ele trata do equilíbrio social dos municípios. “Os prefeitos têm isso muito em mente, quanto mais equilíbrio social melhor os municípios e esse apoio, esse suporte que o governo do Estado está dando através do RS Mais Igual junto com o Bolsa Família é fundamental para promover esse equilíbrio”, destacou o prefeito.   Quem tem direito – Quem já recebe o Bolsa Família e tem, pelo menos, uma criança de até 6 anos morando em casa – Famílias em que cada pessoa vive com até R$ 100 por mês   Pedido Durante o lançamento do RS Mais Igual foi levantado um cartaz com a mensagem “Vicente Dutra pede socorro. Solução indígena. RS Mais Igual pra onde vão 70 famílias agricultores” pediu atenção do governo e apoio para resolver o impasse da questão indígena em Vicente Dutra.

Eliana de Souza / Fotos: Renato Padilha