Com a pandemia do coronavírus, muitos Estados e municípios do país criaram leis que determinam a sanitização de ambientes públicos, abertos ou fechados de acesso coletivo. Trata-se da desinfecção desses espaços, incluindo tetos, pisos e paredes. O tema também originou um projeto de lei, de autoria do deputado Cleber Weber (Republicanos-MA), na Câmara dos Deputados e que está em tramitação, instituindo uma política nacional de sanitização para conter a transmissão de doenças infectocontagiosas como a Covid-19.

A Bueno & Hendges, empresa de Alpestre, está realizando vários serviços na região. Rildo Bueno, gerente de vendas e graduado em Gestão Ambiental, explica que a sanitização é um trabalho de combate a fungos, bactérias e vírus, os quais não são eliminados em uma limpeza simples, com vassoura ou panos. “O processo é realizado com máquinas de última geração e produtos específicos, como o quaternário de amônio”, detalha.

Em virtude da pandemia, a sanitização é indicada tanto para estabelecimentos comerciais e residências, onde haja grande circulação de pessoas. “É uma assepsia avançada, que deixa o ambiente livre destes patógenos. Pode ser feita em qualquer local, após avaliação e retirada de pessoas e animais, que retornam após determinado período de tempo”, complementam. O serviço de sanitização não pode ser feito por qualquer pessoa, já que necessita de profissionais especializados, com treinamentos específicos.

A sanitização também combate a disseminação de alergias e doenças respiratórias, como bronquite, asma, rinites e resfriados, dentre outros desconfortos provocados por ácaros, fungos e bactérias. Ainda, esse procedimento contribui na conservação de alimentos e objetos. Sem mofo ou bactérias para deteriorar os materiais, mantém-se a vida útil dos produtos por mais tempo.

A Bueno & Hendges está em funcionamento, desde 2007, na Rua Dr. Álvaro Leitão, 165, em Alpestre. Tem como proprietários, Eliane e Guilherme Bueno.

Diferenças na higienização

Limpeza: atividade feita com um pano, água, sabão e detergente, por exemplo, que remove por arraste e remoção, de 50% até 95% a carga de microrganismos.

Esterilização: elimina 100% de seres vivos.

Sanitização (com cloro, álcool, hipoclorito de sódio, quaternário de amônio): tira até 99,9% dos microrganismos por contato.