Nos dias atuais, muitas pessoas vivem com o pensamento no futuro e sofrem por antecipação, criando situações que podem nunca vir a acontecer. Mas isso pode significar algo mais grave: a Síndrome do Pensamento Acelerado (SPA). Descoberta pelo psiquiatra Augusto Cury, a síndrome do pensamento acelerado está associada a um quadro de transtorno de ansiedade generalizada e transtorno bipolar.

Dessa maneira, trata-se de uma alteração, sendo desencadeada pelo excesso de estímulos, informações, multifunções profissionais, sociais e até mesmo familiares. Mas o problema não está relacionado com o conteúdo dos pensamentos, e sim com a quantidade e a velocidade com que acontecem dentro do cérebro.

Além disso, este distúrbio está se tornando cada vez mais comum devido aos estímulos e informações que vemos nos jornais, revistas, televisão e celulares. A consequência disso é que além da grande quantidade de informações no cérebro, o pensamento vai se tornando mais acelerado.

O estimado é que 80% da população mundial sofre com esta síndrome atualmente. Assim, afeta grande parte da sociedade moderna, inclusive, crianças. Entre os sintomas estão fadiga excessiva, dificuldades em contemplar detalhes e pequenos estímulos da vida rotineira, flutuação do humor, dificuldades para se concentrar, aparecimento de pequenos lapsos de memória de forma frequente, insônias, irritabilidade e elevação da ansiedade.

– Por não conseguir desligar a mente e apresentar dificuldade em desacelerar o pensamento, a pessoa frequentemente sofre por antecipação. Outra caraterística básica da SPA é o cansaço físico exagerado e inexplicável. Isso porque os portadores dessa síndrome, ao pensarem demais, tendem a roubar energia do córtex cerebral, que é a camada mais evoluída do cérebro, uma energia que deveria ser utilizada nos órgãos do corpo. Mas como isso não acontece, o organismo responde com a fadiga em excesso –, explica a psicanalista Andréa Ladislau.

Tratamento

Quando ocorre o diagnóstico, o tratamento para a Síndrome do Pensamento Acelerado é feito dependendo de cada caso. Geralmente, consiste na psicoterapia, onde o profissional irá ajudar a adaptar os hábitos de vida do paciente. Ele pode indicar, por exemplo, pausas durante o dia, prática de exercícios físicos ou a adoção de hobbies como ler um livro ou ouvir música, para reduzir os pensamentos acelerados.

Desse modo, se o caso for mais grave, há também a possibilidade da prescrição de medicamentos.

Sintomas

Ansiedade;

Dificuldade para se concentrar;

Cansaço excessivo;

Dificuldade para pegar no sono;

Irritabilidade;

Não dormir o suficiente e acordar cansado;

Inquietação;

Intolerância ao ser contrariado;

Mudança de humor frequentemente;

Insatisfação constante;

Sintomas psicossomáticos como, por exemplo, dor de cabeça, dores nos músculos, queda de cabelo e gastrite.

Como evitar

Estudar ou trabalhar com música ambiente relaxante, num baixo volume;

Limitar o uso das redes sociais, separando apenas três momentos do dia para navegar na internet;

Ao conversar pessoalmente com amigos, exponha seus sentimentos e conte sobre suas conquistas e derrotas.