A Polícia Federal de Santo Ângelo está com inquérito aberto para investigar ofensas feitas durante aula virtual do curso de Nutrição da Universidade Federal de Santa Maria, campus Palmeira das Missões. A aula tinha como tema principal “Saúde e nutrição da população negra”, e tinha como convidada a professora Fernanda Bairros, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Ao portal G1, a professora do curso, Vanessa Kirten, explicou que um grupo pediu para ingressar na reunião e começou a fazer diversos comentários de deboche e posteriormente ameaças aos participantes.

"Eles abriram os microfones e começaram a fazer insultos, ameaças. Queriam nos dar uma sensação de medo, diziam que invadiriam nosso IP, que se fizéssemos uma nova aula eles iriam derrubar de novo, que iriam pegar nossos números de cartão de crédito. Quando eles viram que todas as pessoas saíram da sala, eles celebraram e disseram ‘Conseguimos. Qual vai ser a próxima?’” diz a professora ao portal G1. Ela completou ao dizer que as rápidas solicitações para participar estavam diretamente ligadas a intenso trabalho de divulgação sobre a aula.

À reportagem do jornal Folha do Noroeste, a Polícia Federal (PF) de Santo Ângelo afirmou estar investigando os fatos. Segundo a PF, as diligências são voltadas para crimes de racismo praticado através de meio de comunicação social, cuja pena prevista é reclusão de 2 a 5 anos, ameaça, com pena de detenção de 1 a 6 meses, e injúria, com pena de detenção de 1 a 6 meses.

A UFSM publicou uma nota de repúdio, assinada pelo reitor Paulo Burmann, ao pedir a “comunidade acadêmica que redobre os cuidados com a segurança em suas práticas e procedimentos com o uso de mídias digitais, com o propósito de evitar o surgimento ou a reincidência de atitudes discriminatórias”.

Confira a nota completa:

A universidade se configura como um espaço de diversidade e de construção do conhecimento para a formação de profissionais críticos e reflexivos. O meio acadêmico trilha essa perspectiva, através do diálogo, da tolerância e da ciência, em seus diferentes espaços de debates. Nestes tempos de distanciamento social, devido à pandemia da COVID-19, essas relações foram condicionadas ao uso das tecnologias digitais, para manter a conexão e a comunicação entre alunos e professores, facilitando a continuidade de disciplinas teóricas.

Com muito pesar, nesta semana, em uma aula (com uma palestrante externa e aberta ao público) promovida pela disciplina de Vigilância e Segurança Alimentar e Nutricional do Curso de Nutrição da UFSM – Campus Palmeira das Missões, fomos tomados de surpresa com o ingresso de um grupo organizado de pessoas ostentando linguagem agressiva, de deboche racista, de cunho sexual e de ameaças. Essas pessoas tinham notoriamente o intuito de acabar com o debate científico que acontecia, com mais de 50 participantes. A referida aula versava sobre a relação da diversidade étnico-racial nos determinantes sociais e de saúde da população e foi interrompida, em virtude de tamanho desrespeito em formato de agressão coletiva.

Manifestamos total repúdio a esse tipo de atitude e nossa respeitosa solidariedade a todos e todas que vivenciaram a injustificável situação.

E solicitamos a toda comunidade acadêmica que redobre os cuidados com a segurança em suas práticas e procedimentos com o uso de mídias digitais, com o propósito de evitar o surgimento ou a reincidência de atitudes discriminatórias. Informamos que todas as medidas cíveis e criminais estão sendo tomadas para coibir e responsabilizar os autores dessa deplorável ação, garantindo o acolhimento e o acompanhamento das vítimas.